Galp leva bolsa para o vermelho. BCP volta a cair

Lisboa contrariou a tendência registada nas demais praças do Velho Continente e terminou a sessão no vermelho. Em Lisboa o, BCP e Galp Energia condicionaram a bolsa nacional.

A bolsa de Lisboa fechou no vermelho, recuando pela segunda sessão consecutiva e depois de ter interrompido cinco sessões consecutivas de ganhos. O PSI-20 contrariou a tendência europeia, sendo que, por cá, o BCP e Galp protagonizaram as maiores quedas.

O índice de referência nacional desvalorizou 0,75% para 4.106,81 pontos, contrariando a tendência de recuperação registada nas demais praças do Velho Continente. Na Europa, o Stoxx 600 — que reúne as 600 maiores europeias –, ganhou 0,8%, o alemão DAX valorizou 0,21% e o britânico FTSE 100 subiu 0,55%. Em contrapartida, o francês CAC 40 caiu 0,08% e o espanhol IBEX 35 desvalorizou 1,11%.

A praça nacional esteve a ser condicionada pelo desempenho das ações do BCP e da Galp. O banco liderado por Miguel Maya tombou 2,94% para 0,959 euros, prologando as perdas registadas na sessão anterior. Isto no dia em que a Moddys baixou o outlook para o sistema bancário português de ‘estável’ para ‘negativo e que o BCP colocou uma ação contra o Estado de Moçambique e a empresa pública Mozambique Asset Management para ser ressarcido de parte da chamada “dívida oculta” comprada no mercado secundário.

Ao mesmo tempo, a petrolífera portuguesa afundou 3,98%, para os 9,26 euros, acompanhando a desvalorização do preço do petróleo. Em Londres, o preço do barril de Brent recuou 1,23%, para os 27,69 dólares.

Galp cai quase 4%

Destaque ainda para as ações da NOS que caíram 3,42% para 3,334 euros, bem como as da Jerónimo Martins, cujos títulos recuaram 1,01% para 15,625 euros.

A impedir uma queda mais expressiva da bolsa nacional estiveram a EDP e a EDP Renováveis. A empresa liderada por António Mexia ganhou 2,14% para 3,769 euros, no dia em que acontece a assembleia geral de acionista e em que foram conhecidos dados preliminares da operação entre janeiro e março.

Nos primeiros três meses deste ano, a produção de eletricidade da EDP aumentou 2% face ao período homólogo. Já a subsidiária liderada por Manso Neto valorizou 2,29% para 10,74 euros, no dia em que assegurou um novo contrato de venda de eletricidade no México.

(Notícia atualizada às 18h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp leva bolsa para o vermelho. BCP volta a cair

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião