Macedo abdica do bónus. CGD reduz prémios aos trabalhadores

A Caixa Geral de Depósitos vai reter os dividendos de 300 milhões de euros que se preparava para pagar ao acionista Estado. Mas o "assunto não está fechado", diz Paulo Macedo.

Paulo Macedo vai abdicar do prémio na Caixa Geral de Depósitos (CGD), enquanto o banco público vai propor para os restantes administradores da comissão executiva e para os trabalhadores um adiamento e redução dos prémios por causa da pandemia.

“Iremos aconselhar que seja diferida a decisão, tal como como nos dividendos, que não haja qualquer atribuição nesta assembleia geral”, disse o presidente da CGD esta quarta-feira na Comissão de Orçamento e Finanças.

Abdicarei do valor prémio integral. Mas uma coisa é o simbolismo e outra é o populismo. (…) Relativamente aos trabalhadores e outros membros da comissão, o que nós aconselharemos é um diferimento e uma redução”, acrescentou o presidente da CGD.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”139″ slug=”lucros-da-cgd” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/lucros-da-cgd/thumbnail?version=1585157143049&locale=pt-PT&publisher=eco.pt” mce-placeholder=”1″]

Paulo Macedo lembrou que não existe a mesma preocupação com o chairman da instituição, Rui Vilar, “por não ter recebido um tostão nos últimos três anos”.

Macedo explicou que quem decide os prémios é a comissão de remunerações, que toma as decisões depois de uma avaliação individual do desempenho de cada administrador. “Não há cá prémios de x para distribuir, há uma avaliação que tem um número para cada administrador mediante uma avaliação de critérios”, contou.

Já depois finalizada a audição, o banco fez questão de esclarecer a questão dos prémios, devido a dúvidas na interpretação do que disse Paulo Macedo sobre o seu prémio.

“Cumprindo o plano estratégico, a Caixa teve 776 milhões de euros de resultados positivos em 2019, dos maiores da sua história, sendo natural que as equipas sejam recompensadas. No entanto, e respeitando as decisões dos órgãos competentes e do acionista, a comissão executiva irá manifestar a sua intenção de diferir e ou reduzir os prémios da própria comissão executiva e colaboradores, sendo que no caso do CEO abdicará do seu integralmente“, afirmou fonte oficial do banco.

CGD retém dividendos, mas “assunto não está fechado”

Relativamente aos dividendos, a CGD cancelou o pagamento de 300 milhões de euros que se preparava para fazer ao Estado. Ainda assim, Paulo Macedo considera que o banco público “tinha condições” para o fazer. E adiantou que o assunto não está ainda fechado. Dependerá da evolução da pandemia.

“Nesta assembleia geral não há qualquer proposta para dividendos. A proposta é de reter os lucros para reservas. Mas o assunto não fica fechado porque o acionista pode fazer uma assembleia geral para este fim único“, disse Paulo Macedo.

O presidente do banco público frisou que havia condições para se proceder à distribuição da remuneração acionista. Isto porque a CGD apresenta rácios de capitais “bastante sustentáveis”.

Lucros de 600 milhões com a crise? “É algo que não existe”

Paulo Macedo afastou ainda que qualquer banco possa registar lucros significativos durante a crise. “Dizer que algum banco pode lucrar 600 milhões com a crise, quando as perdas por imparidades serão previsivelmente de milhares de milhões, é algo que não existe“, declarou.

“Não existe neste ano e não existiu nesta década. Infelizmente”, notou.

Para Paulo Macedo, “devemos estar muito preocupados é que tipo de resultados negativos” os bancos poderão ter neste período e evitar o que aconteceu na última década de prejuízos consecutivos.

Explicou que as imparidades na Caixa deverão atingir os mil milhões de euros e isso vai afetar os lucros do banco público.

(Notícia atualizada às 12h48 para corrigir a posição de Paulo Macedo em relação ao prémio. O CEO da Caixa disse no Parlamento “No meu caso, eu não abdicarei do valor prémio integral” quando deveria ser interpretado “No meu caso, eu não. Abdicarei do valor prémio integral”.)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Macedo abdica do bónus. CGD reduz prémios aos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião