Marco Galinha, do grupo Bel, Prozis e Apollo juntam-se para comprar a TVI, diz o Público

  • ECO
  • 22 Abril 2020

Grupo de empresários que quer comprar a Media Capital será financiado pelo Novo Banco, pelo Millennium BCP e pelo BBVA.

Depois da desistência da Cofina, um grupo de empresários que inclui Marco Galinha, líder do grupo Bel, a Prozis Group e Gustavo Guimarães, da Apollo, além da Nova Expressão, juntou-se para fazer uma proposta de compra da Media Capital, dona da TVI avança o Público (acesso condicionado). O grupo será financiado pelo Novo Banco, pelo Millennium BCP e pelo BBVA.

A Cofina tinha assinado um acordo de compra e venda da Media Capital com a Prisa, mas este ficou sem efeito, deixando assim espaço para outro negócio. O grupo de empresários formado entretanto terá já feito chegar ao Governo, nos últimos dias, uma carta a dar conhecimento da intenção de avançar com esta operação.

O presidente da administração da Prisa, Javier Monzón de Cáceres, terá já recebido também a proposta de aquisição do controlo da Media Capital, que foi subscrita por quatro investidores. São eles Marco Galinha, Gustavo Guimarães, Prozis Group e Nova Expressão, agência de meios. De salientar que o Grupo Bel, de Marco Galinha, tem atividade nas áreas da distribuição e da indústria, e é proprietário do Jornal Económico.

A proposta apresentada pelo grupo à Prisa é inferior aos 250 milhões de euros negociados antes com a Cofina, embora não seja revelado qualquer valor.

O negócio com a dona do Correio da Manhã parecia certo, mas os efeitos da pandemia nos mercados financeiros levaram o grupo a anunciar que a operação caiu por terra. Na altura o grupo argumentou que falhou o aumento de capital necessário para financiar parcialmente a operação, mas as duas empresas responsabilizaram-se mutuamente pelo insucesso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marco Galinha, do grupo Bel, Prozis e Apollo juntam-se para comprar a TVI, diz o Público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião