Mota-Engil ganha obra de 636 milhões no México. Maior contrato de sempre na América Latina

A construtora venceu concurso internacional no México para construir o primeiro troço do projeto ferroviário “Tren Maya". Um contrato no valor de 636 milhões de euros.

A Mota-Engil venceu um concurso público internacional para construir o primeiro troço do megaprojeto ferroviário, intitulado de “Tren Maya”, no México. Um contrato no valor de 636 milhões de euros que representa um dos maiores investimentos ferroviários das últimas décadas na América Latina.

Este contrato corresponde ao primeiro lanço, com 228 quilómetros da infraestrutura ferroviária que tem como objetivo dinamizar a atividade económica de cinco estados no sul do país (Tabasco, Campeche, Yucatán, Quintan Roo e Chiapas). “É o primeiro e maior projeto de infraestruturas anunciado pelo atual Presidente mexicano, Alfredo Lopes Obrador, aquando do início do seu mandato”, explica a construtora que alcançou uma faturação recorde no ano passado.

O contrato envolve a elaboração do projeto de execução, fornecimento de materiais e respetiva execução da plataforma e ferrovia.

Para o desenvolvimento da proposta e futura construção do troço ferroviário, a Mota-Engil México associou-se em parceria com a China Communications Construction Company (CCC) – uma das quatro maiores construtoras mundiais – num consórcio liderado pela Mota-Engil com 58%, sendo o primeiro projeto de construção em consórcio com a companhia chinesa.

Com a assinatura de mais um contrato no México, a construtora liderada por Gonçalo Moura Martins “reforça o equilíbrio da sua atividade entre as três regiões onde atua e confirma a sustentabilidade do seu negócio e a dinâmica comercial em tempos de pandemia”.

Na sessão desta quinta-feira, as ações da Mota-Engil subiram em bolsa 0,18%, para 1,08 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil ganha obra de 636 milhões no México. Maior contrato de sempre na América Latina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião