Fabricante francês de luvas de luxo adapta produção e cria modelo de proteção reutilizável

  • Lusa
  • 24 Abril 2020

O fabricante francês Agnelle adaptou a sua produção e criou um modelo de luvas de proteção reutilizável. "Fizemos um protótipo de uma luva muito flexível, agradável de usar", diz líder da empresa.

Um fabricante francês de luvas de luxo, que fornece marcas de renome internacional, adaptou a produção face à atual pandemia e criou um modelo reutilizável de tecido lavável que, segundo a empresa, irá servir para proteger do novo coronavírus.

O fabricante Agnelle, que produz anualmente cerca de 120 mil pares de luvas (couro, lã de alpaca), fornece marcas do segmento de luxo como Dior, Givenchy, Ralph Lauren, Agnès B ou Calvin Klein, bem como está associado a várias celebridades internacionais, como é o caso de Madonna, Beyonce, Lady Gaga ou das primeiras-damas dos Estados Unidos e de França, Melania Trump e Brigitte Macron, respetivamente.

“Esta crise colocou em evidência o problema da higiene e da limpeza. O uso de luvas tende a multiplicar-se. Fizemos um protótipo de uma luva muito flexível, agradável de usar num material muito elástico, que faz uma mão bonita“, afirmou Sophie Grégoire, que lidera esta empresa familiar, com sede em Saint-Junien (região centro de França) desde 1937, e é atualmente dirigida só por mulheres.

Após ter fabricado, como outras empresas francesas, máscaras de proteção em tecido para fornecer várias comunidades naquele país, a Agnelle – que emprega cerca de duas dezenas de pessoas – irá retomar a sua atividade principal, “adaptando as instalações para que os funcionários trabalhem em total segurança”, segundo referiu Sophie Grégoire.

Segundo a agência France-Presse (AFP), o novo modelo de luvas idealizado pela Agnelle, disponível inicialmente só na cor preto, será comercializado na página online da empresa a um preço (por par) que ronda algumas dezenas de euros.

A ideia é evitar, tanto quanto possível, retirá-las e, ao mesmo tempo, conseguir desempenhar as tarefas diárias. Vamos ter de aprender a viver com estas barreiras, esta segurança necessária, mantendo a nossa liberdade e uma certa ideia de estética”, disse Sophie Grégoire, concluindo: “As luvas de plástico, cirúrgicas, não são duráveis, mas estas serão”.

França regista, até à data, um total de 21.856 mortos e 120.804 casos confirmados de Covid-19 desde o início da pandemia, segundo os últimos dados oficiais. A nível global, o novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já provocou mais de 200 mil mortos e infetou mais de 2,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 720 mil doentes foram considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia. O continente europeu continua a ser o mais afetado pela pandemia.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fabricante francês de luvas de luxo adapta produção e cria modelo de proteção reutilizável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião