Novabase paga 20 milhões à Vodafone para ficar com totalidade da Celfocus

A Novabase aceitou pagar 20 milhões de euros à Vodafone Portugal por 45% da Celfocus, uma empresa de tecnologia de comunicações. Valor do negócio poderá ascender a 27,5 milhões.

A Novabase NBA 2,48% anunciou esta sexta-feira que chegou a um acordo com a Vodafone Portugal para a compra de uma posição de 45% na Celfocus por 20 milhões de euros. Com esta aquisição, passará a deter a totalidade da empresa de tecnologia de comunicações. O valor do negócio poderá subir até aos 27,5 milhões em função dos serviços que foram contratados pela Vodafone Portugal nos próximos três anos.

“O preço inicial acordado para a totalidade das ações detidas pela Vodafone Portugal é de 20 milhões de euros, pago no prazo de cinco dias úteis”, informa a tecnológica liderada por João Nuno Bento em comunicado enviado ao mercado.

“No entanto, em virtude de eventuais ajustamentos anuais, até 2023, associados a garantias de contratação de serviços por parte da Vodafone Portugal de 10 milhões de euros anuais durante três anos, poderá existir um ajustamento de preço adicional de 7,5 milhões, pago em serviços, pelo que o preço total final poderá ascender a um máximo de 27,5 milhões”, acrescenta a Novabase.

Criada em 2000, a Celfocus, que resultou de uma joint-venture entre a Novabase e a Vodafone, conta com mais de 650 colaboradores, tendo gerado um volume de negócios de 65 milhões de euros e um EBITDA de 6,3 milhões em 2019. Apresenta ainda uma posição de caixa de 16,1 milhões, de acordo com a informação prestada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Estamos muito satisfeitos por ter alcançado este acordo com o nosso parceiro de longa data Vodafone Portugal, para a venda da sua participação na Celfocus”, referiu João Nuno Bento.

“Deter a propriedade da totalidade do capital é um elemento chave da nossa visão NextGen e no qual tínhamos interesse já há algum tempo. A partir de agora poderemos alocar recursos e explorar sinergias dentro do Grupo Novabase de uma forma mais eficiente”, acrescenta o CEO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novabase paga 20 milhões à Vodafone para ficar com totalidade da Celfocus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião