Sem acordo com os sindicatos, CTT ponderam lay-off

Os CTT estão a estudar recorrer ao regime de lay-off simplificado, depois de as negociações com os sindicatos não terem produzido um acordo em torno de medidas para fazer face à pandemia.

Os CTT podem vir a recorrer ao regime de lay-off simplificado, depois de as negociações com os sindicatos para a adoção de medidas excecionais para fazer frente ao impacto da pandemia não terem resultado em nenhum acordo. A informação foi avançada pelo Jornal de Negócios (acesso condicionado), mas a empresa postal diz que “não comenta rumores”.

O ECO confirmou que as reuniões com os sindicatos que representam os trabalhadores não produziram um acordo, pelo menos formal, e que as propostas apresentadas pela empresa terão sido rejeitadas. Ao Jornal de Negócios, Victor Narciso, secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações, explicou que o desacordo com as propostas prendeu-se “apenas em questões de prazos ou de pormenor”.

Entre as propostas dos CTT estaria a do pagamento do subsídio de alimentação em cartão até maio de 2021, a marcação unilateral e imediata de férias vencidas em anos anteriores e ainda não gozadas e o pagamento de 50% do subsídio de férias em julho e os restantes 50% em agosto. Ora, num comunicado interno da empresa, a que o ECO teve acesso, o grupo liderado por João Bento “lamenta profundamente que não se tenha conseguido chegar a um acordo, apesar dos esforços de aproximação de ambas as partes”.

Nesse comunicado, a empresa admite, contudo, que “vai continuar a cumprir o atual acordo de empresa em vigor” e que “vai tomar decisões sobre eventuais novas medidas, sempre com o mesmo racional de menor impacto possível para o conjunto dos seus colaboradores”. Entre elas estará, então, o recurso ao lay-off, mas excluindo algumas funções, como os carteiros ou os trabalhadores do atendimento nas lojas.

(Notícia atualizada pela última vez às 14h13)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Sem acordo com os sindicatos, CTT ponderam lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião