Benfiquista, bem humorado e afável. Quem é o novo CEO do BPI? E que desafios vai ter pela frente?

João Pedro Oliveira e Costa tem 30 anos de casa, sobretudo no negócio de private banking. É benfiquista, gosta de golfe e sabe contar piadas como ninguém. Que desafios tem pela frente?

O próximo CEO do BPI é uma pessoa de discurso fácil, bem-humorada, afável e com uma notável capacidade de contar piadas. Quem o conhece diz que é frontal e diz o que pensa. Torce pelo Benfica e gosta de golfe, râguebi e desportos náuticos. É participante assíduo do BPI Challenge, competição de golfe organizada pelo banco.

Traços largos, é este o perfil de João Pedro Oliveira e Costa, 54 anos, que vai suceder a Pablo Forero na liderança de um dos maiores bancos nacionais. Chega ao topo da carreira num momento particularmente desafiante para todos, perante o contexto da pandemia do coronavírus que também vai afetar a banca.

Oliveira e Costa é um apelido tóxico. Mas o próximo líder do BPI não tem qualquer relação familiar com o antigo fundador do BPN, nem nenhum problema com o facto de partilhar um apelido que é mal visto na praça. “Tenho muita honra no meu pai, que faleceu há 20 anos. Tenho muita pena que não esteja aqui neste momento. Sempre assinei Oliveira e Costa, e assinarei em qualquer circunstância”, disse na conferência de resultados.

Está há 30 anos no BPI e conhece os cantos à casa como poucos. “Conhece muito bem grandes clientes do banco”, conta fonte próxima. João Pedro Oliveira e Costa foi um dos principais responsáveis pela revolução do private banking no BPI e no mercado português. Aliás, chegou ao banco vindo do grupo BCP em 1991 para ser diretor de private banking e ascendeu na carreira por aí.

Em 2000, tornou-se diretor central do negócio de private banking e premier até 2014, antes de subir à administração do banco pela mão de Fernando Ulrich com responsabilidade pelas áreas de negócio de particulares, premier, private banking e negócios.

“Revejo-me e confundo o meu perfil com o perfil do banco, não tenho um perfil específico diferente daquilo que foi e tem sido o percurso do banco“, considerou o novo CEO na conferência com os jornalistas.

Do ponto de vista familiar, João Pedro Oliveira e Costa é casado, tem dois filhos. É o mais novo de três irmãos.

João Pedro Oliveira e Costa sucede a Pablo Forero na liderança do BPI.António Pedro Santos/Lusa 4 maio, 2020

Covid, Angola, concorrência e BCE…

A liderança do BPI vai voltar a falar português três anos depois da saída de Fernando Ulrich do cargo de CEO.

João Pedro Oliveira e Costa referiu esta segunda-feira que quer dar continuidade ao legado de Artur Santos Silva, Fernando Ulrich e Pablo Forero será um dos seus maiores desafios. “Com o prestígio e relevância que tiveram”, disse. E isto num enquadramento acionista que também não é irrelevante. Hoje em dia o banco é totalmente controlado pelo CaixaBank. Isso dá maior respaldo nas horas mais apertadas, mas maior responsabilidade, como destacou o novo CEO.

É esse o caso, atualmente. A pandemia já está a ter impacto nas contas: 44 milhões de euros de lucros a menos por causa do surto do coronavírus e do seu impacto económico. O BPI já colocou de lado 32 milhões de euros para fazer face a uma eventual subida do malparado por causa da crise. Se for preciso mais dinheiro, o banco tem condições e acionista para reforçar o seu capital.

A incerteza em torno dos efeitos da pandemia é o desafio mais premente e urgente que João Pedro Oliveira e Costa terá já pela frente. Não se sabe ainda qual é a extensão nem a profundidade da crise.

“Vamos atravessar um enorme desafio pela frente, em várias linhas, há um certo desconhecimento, esta é uma situação nova, e toda ela é um próprio desafio”, sublinhou João Pedro Oliveira e Costa.

Desta crise emergem outros desafios também relevantes e transversais a todo o setor. Por exemplo, os juros mínimos históricos do Banco Central Europeu (BCE) que já estavam a pressionar as margens dos bancos antes de o vírus ter atacado. Agora, com a crise à vista, os juros do banco central vão continuar a deteriorar o negócio bancário por muito mais tempo do que era previsível.

João Pedro Oliveira e Costa também terá de lidar com um contexto de elevada concorrência não só da banca tradicional, mas também de novos players à boleia da inovação tecnológica e que estão a mexer com o setor.

Angola é outro tema não resolvido. Para ter sucesso na OPA, o BPI vendeu o controlo do BFA a Isabel dos Santos em 2017, passando a deter 48,1% do banco angolano. Mas o objetivo é vender a totalidade da participação. Pablo Forero não conseguiu efetuar a venda. Segue-se novo CEO.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfiquista, bem humorado e afável. Quem é o novo CEO do BPI? E que desafios vai ter pela frente?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião