Três anos, três feitos de Forero à frente de um BPI com sotaque catalão

Pablo Forero vai passar a reforma em Portugal depois de deixar o BPI. "Estamos totalmente apaixonados com o país", disse. Em três anos, espanhol deixa legado no banco.

Três anos depois, Pablo Forero prepara-se para deixar os destinos do BPI. O espanhol chegou à liderança do banco em 2017, depois de concretizada a oferta pública de aquisição (OPA) do grupo catalão CaixaBank. Três anos depois, o gestor deixa um legado no banco: foi o protagonista numa transição suave pós-Ulrich, alinhou a estrutura do banco português ao novo dono catalão e reestruturou a instituição.

Forero abandona o cargo porque vai para a reforma. Que a vai passar em Portugal. “Foi uma descoberta para mim. Estou muito feliz aqui, a minha família também está muito feliz, tanto que até vamos ficar a viver aqui. Estamos totalmente apaixonados”, referiu o gestor em conferência de imprensa após o BPI ter apresentado resultados de 6,3 milhões. “Adoramos a comida, as pessoas… estamos muito felizes aqui”.

O espanhol considerou que recebeu um “grande banco” da anterior gestão de Fernando Ulrich — que vai continuar como chairman –, mas também disse que deixa um “grande banco” ao seu sucessor, João Pedro Oliveira e Costa.

“Foi enorme satisfação, honra profissional e pessoal, liderar este grande banco. Foi imensa honra ter sido presidente durante três anos e de ter contribuído para um banco tão importante para a economia”, disse.

Forero agradece a “paciência” que a equipa portuguesa teve com ele, incluindo com o seu “português”. Diz que sai depois de ter cumprido todos os objetivos.

"Portugal foi uma descoberta para mim. Estou muito feliz aqui, a minha família também está muito feliz, tanto que até vamos ficar a viver aqui. Estamos totalmente apaixonados.”

Pablo Forero

CEO do BPI

Transição suave pós-Ulrich

Pablo Forero chegou com uma missão difícil: a de suceder a Fernando Ulrich, um dos nomes históricos do BPI e da banca nacional. O facto de ser espanhol (indicado pelo dono CaixaBank) poderá ter gerado alguma desconfiança inicialmente, mas Pablo Forero foi capaz de fazer do seu mandato uma “transição suave” para uma nova realidade no banco, agora totalmente controlado pelos espanhóis e já depois de superada a crise financeira no país (entrou, entretanto, noutra crise, a do coronavírus).

Essa transição foi feita a par com a integração e alinhamento das práticas com o CaixaBank, no âmbito de uma profunda reestruturação da instituição. O perfil de Pablo Forero ajudou nesta mudança: sempre fez um esforço por falar português e sua personalidade acabou por conquistar admiradores (como já confessou o próximo CEO do banco).

O BPI é hoje um banco mais leve e mais sólido. Reflexo da melhor posição do banco: regresso aos dividendos, o que aconteceu no ano passado, após nove anos sem remunerar os acionistas.

Apresentação de resultados do BPI em 2018 - 01FEV19

Alinhamento com CaixaBank

Com a OPA do CaixaBank, o BPI passou a ser controlado pelo grupo catalão. Por decisão dos espanhóis, o banco também deixou a bolsa de valores. Tudo isto trouxe mudanças na governação e na estrutura do BPI: houve um alinhamento àquilo que eram as práticas do CaixaBank. Foi Pablo Forero quem liderou esse movimento em relação à casa-mãe.

Quem conhece o banco diz que apresenta hoje em dia uma hierarquia mais estruturada, refletindo não só este alinhamento ao CaixaBank. As imposições regulatórias do Banco Central Europeu, Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundo Pensões também mexeram na organização do banco.

Reestruturação

É a grande bandeira do mandato de Pablo Forero: a reestruturação do BPI. Isto é quantificável. O número de trabalhadores caiu mais de 40% desde 2016, dos 8.157 trabalhadores para 4.840 trabalhadores. Também reduziu a rede de balcões: são hoje em dia 477 agências de que o banco dispõe, menos 35% do que em 2016. A rentabilidade dos capitais próprios (ROTE) aumentou dos 7,3% para 10,3%, um dos melhores do mercado.

Forero realizou grandes operações que eram do BPI: vendeu a Viacer (SuperBock) à família Viola por 233 milhões e alienou também ao CaixaBank o negócio de cartões de crédito e débito (por 113 milhões) e ainda a atividade de seguros e de gestão de ativos (por 218 milhões).

Já a saída de Angola, que o CaixaBank quer concretizar, ainda não há uma data anunciada. Os espanhóis pretendem vender a sua posição de 48,1% no BFA.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Três anos, três feitos de Forero à frente de um BPI com sotaque catalão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião