Novo CEO do BPI: “Sempre assinei Oliveira e Costa, e assinarei em qualquer circunstância”

Com Pablo Forero de saída, será João Pedro Oliveira e Costa a assumir a liderança do BPI. O novo CEO esclareceu que não tem qualquer relação com o antigo presidente do BPN... Oliveira e Costa.

Com a saída de Pablo Forero, será o atual administrador executivo João Pedro Oliveira e Costa a assumir a liderança do BPI. É um apelido “tóxico” no setor, mas o próximo CEO do banco (já habituado a confusões) esclareceu que não tem qualquer relação com o antigo presidente do BPN… Oliveira e Costa. E disse que tem a honra de carregar o apelido do seu pai.

“É uma pergunta que já me fizeram no passado e que já previa que ma fizessem nesta conferência”, começou por dizer João Pedro Oliveira e Costa, 54 anos, em conferência de imprensa após o BPI ter registado uma queda de 87% dos lucros devido à pandemia.

“Não conheço em concreto o caso e não tenho nenhuma relação familiar, mas tenho respeito por quem já não está connosco”, esclareceu o gestor bancário, depois de questionado sobre se o apelido Oliveira e Costa — antigo fundador do BPN que faleceu no passado mês de março — poderia ter impacto na sua imagem.

O próximo líder do BPI afirmou que o apelido vem do seu pai. “Tenho muita honra no meu pai, que faleceu há 20 anos. Tenho muita pena que não esteja aqui neste momento. Sempre assinei Oliveira e Costa, e assinarei em qualquer circunstância“, disse João Pedro Oliveira e Costa.

“Os meus filhos também terão orgulho em assinar o nome Oliveira e Costa”, acrescentou.

“Seguir legado de Santos Silva, Ulrich e Forero”

A apresentação de resultados também serviu para uma breve apresentação do novo CEO na primeira pessoa.

João Oliveira e Costa lembrou que tem três décadas de experiência no setor financeiro, uma vida profissional quase dedicada exclusivamente ao BPI. E, por isso, disse que o seu perfil se confunde com o perfil do banco naquilo que são os valores de transparência e caráter, fez quase todas as funções no banco e conhece “ao pormenor as vicissitudes” do banco. “Mas meu perfil vai carecer de prova no exercício de funções”, acrescentou.

Disse ainda que terá enormes desafios pela frente, não só pela atual situação de pandemia de Covid-19, mas pela história do banco, de quem passou por lá, mas também pelo atual dono, o CaixaBank.

O próximo CEO pretende dar continuidade ao legado de pessoas que vieram antes dele, “com o prestígio e relevância que tiveram”. Lembrou Artur Santos Silva, Fernando Ulrich (pela “frontalidade e relevância que teve nas intervenções no sistema financeiro”) e ainda Pablo Forero, de quem ficou amigo próximo.

“Outro nível de desafio: ter um acionista da qualidade do CaixaBank, que é entidade bem organizada, de enorme prestígio em Espanha, maior organização em Espanha. Isto implica um maior grau de exigência“, considerou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo CEO do BPI: “Sempre assinei Oliveira e Costa, e assinarei em qualquer circunstância”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião