UCI coloca 385 milhões de euros na bolsa de Lisboa. Quer usar encaixe para dar crédito verde

Isabel Ucha, CEO da Euronext Lisbon, sublinhou os critérios ambientais e de sustentabilidade no setor imobiliário, para a "construção ou requalificação de edifícios com baixa pegada carbónica".

A UCI – Unión de Créditos Inmobiliarios foi ao mercado buscar financiamento para dar crédito a projetos verdes. Colocou 392 milhões de euros em Obrigações Titularizadas Residential Mortgage-Backed Securities (RMBS), numa operação de titularização de dívida. A maior parte dos títulos (385 milhões de euros) foram admitidos à negociação na bolsa de Lisboa esta quarta-feira com o nome Green Belém N.º 1.

Com esta operação, a joint venture participada em 50% pelo BNP Paribas e pelo Santander, reabriu o mercado de securitização de crédito hipotecário residencial em Portugal. Os créditos incluídos no fundo Green Belém N.º 1 foram concedidos entre 2009 e 2019 e dizem respeito a empréstimos hipotecários junto de quatro mil famílias (mais de metade em Lisboa) com um loan-to-value (LTV) atual de 60,6%.

As securitizações são um instrumento importante que as empresas financeiras e os bancos podem usar para gerir as suas necessidades de liquidez. Isso será cada vez mais importante, na realidade que vivemos hoje. É uma oportunidade para os investidores terem outras opções investimento e diversificarem os seus portefólios”, disse Isabel Ucha, CEO da Euronext Lisbon numa sessão online que teve lugar esta quarta-feira, sublinhando os critérios ambientais e de sustentabilidade aplicados ao setor imobiliário, em prol de uma “construção ou requalificação de edifícios com uma baixa pegada carbónica”.

Na prática, a UCI vendeu um portefólio de empréstimos à habitação a grandes investidores institucionais. O encaixe financeiro irá servir para a empresa financeira especializada em crédito à habitação conceder novos empréstimos direcionados para construção ou requalificação de edifícios por forma a torná-los mais sustentáveis. É, por isso, que esta operação é incluída no mercado de obrigações verdes.

Filipa Franco, head of listing da Euronext Lisbon sublinhou o “compromisso da UCI de usar o encaixe desta operação para financiar investimentos verdes no mercado ibérico. Esta é uma estratégia de financiamentos que as instituições financeiras devem seguir“, como emitir green bonds e procurar custos mais competitivos de financiamento com vista a um investimento green friendly. A operação é também importante para a Euronext, referiu, “para aumentar o perfil do mercado de capitais português e o ecossistema como um todo. Estamos muito satisfeitos por ver esta operação em Lisboa”, disse a responsável.

Para Filipa Franco, as operações com base em critérios ESG (Environmental, Social and Governance) “são decisivos para assegurar a transição da economia e da sociedade para um modelo mais sustentável. Esperamos que a curto prazos todos optem por estas operações, para que se aproveite a necessidade atual de mais financiamento como uma oportunidade para encorajar a transição para uma economia mais sustentável”.

Philippe Laporte, COO da UCI, assinalou que “ter alcançado um novo fundo de securitização num contexto tão desafiante como o atual e com a complexidade dos requisitos regulatórios, é um sucesso para a empresa”. Desde 2015, quando reabriu o mercado de RMBS em Espanha através do programa Prado, a UCI emitiu mais de 2.000 milhões de euros em títulos de securitização da máxima qualidade.

“Convido todos a participarem neste novo tipo de operações. É o mais certo a fazer. É uma revolução verde que está em curso na concessão de créditos à habitação. É um cenário win win para todos. Estamos a trabalhar em Espanha e queremos exportar este conceito para Portugal, para que todos possam comprar uma casa verde”, disse Philippe Laporte, na sessão online.

O mercado de green bonds tem vindo a crescer a nível global, tendo atingido o recorde de sempre no ano passado próximo de 255 mil milhões de euros em novas emissões. Em Portugal, também estes ativos têm ganho destaque. A Euronext sublinha “a importância crescente e o compromisso reforçado com as green bonds“, com 157 mil milhões de euros de green bonds emitidas por 135 instituições na bolsa europeia.

“A Euronext é líder na emissão de green bonds, com mais de 157 mil milhões de euros de 135 instituições. Em 2019 dedicámos um segmento a estas green bonds em todos os mercados europeus e queremos expandir a oferta”, reforçou Isabel Ucha.

A EDP estreou o mercado de green bonds em outubro de 2018 e já realizou cinco emissões, que negoceiam na bolsa de Dublin. Também uma subsidiária da Altri, a Sociedade Bioelétrica do Mondego, colocou de obrigações verdes no início de 2019. Em setembro, foi o Pestana a juntar-se ao grupo de emitentes destes ativos.

Tanto a Sociedade Bioelétrica do Mondego como o Pestana realizaram, no entanto, operações em mercado não regulamentado. Assim, a UCI é a primeira emissão admitida no mercado regulamentado em Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UCI coloca 385 milhões de euros na bolsa de Lisboa. Quer usar encaixe para dar crédito verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião