Em tempos de Covid-19, onde investir? Seis temas que vão marcar o futuro

Credit Suisse identifica "supertrends" que considera serem temas e oportunidades de investimento com terão um desempenho superior na sequência do coronavírus.

O surto de Covid-19 mudou a forma de viver e trabalhar de grande parte da população mundial, mas também a forma se poupa e investe. Com a pandemia a pressionar os mercados financeiros, o Credit Suisse divulgou a atualização anual das supertrends, que se focam nos temas que o banco acredita vão marcar os investimentos.

“O nosso quotidiano foi interrompido em virtude da pandemia do coronavírus. Esta crise está a desafiar os sistemas e as estruturas existentes e a plantar as sementes para outras mudanças futuras, conforme desvendamos as limitações na forma como aprendemos, trabalhamos e vivemos”, diz Michael Strobaek, chief investment officer global do Credit Suisse.

A pandemia não só está a atirar a economia global para a maior crise desde a Segunda Guerra Mundial, como a aprofundar mudanças e novas tendências. São esses temas que o banco de investimento antecipa que vão surgir oportunidades de negócio de rápido crescimento. “Cada uma das tendências de investimento identifica oportunidades que se espera venham a ter um desempenho superior na sequência destas mudanças“, explica.

Assim, o Credit Suisse identifica seis supertrends que considera serem temas de investimento interessantes para o momento presente e para o futuro. São elas:

  • Mudanças climáticas

O confinamento causado pelo coronavírus reduziu de forma expressiva as emissões de carbono, colocando em destaque o tema já atual das alterações climáticas. Este beneficia o investimento em empresas que contribuem com mais eficiência para a transição para uma economia mundial mais sustentável. Os principais setores nos quais a tendência de investimento se concentra são a produção de eletricidade sem emissões de carbono, o transporte, os pioneiros na transformação dos setores petrolífero e do gás e a agricultura/produção de alimentos.

  • Capitalismo inclusivo

Esta tendência reflete um descontentamento popular virado, de forma mais evidente, para questões locais sendo dada maior importância à desigualdade, em detrimento de ameaças externas e protecionismo. O Credit Suisse monitoriza a ansiedade, que diz estar a aumentar. “A pandemia de Covid-19 tem demonstrado que as ameaças emergentes reais são globais e exigem uma cooperação multilateral, bem como proteção individual”, diz o banco de investimento.

  • Tecnologia ao serviço das pessoas

As contínuas inovações tecnológicas e os desafios expostos pela crise do coronavírus fazem com que o setor tecnológico continue a ser atrativo para os investidores. “Os fatores determinantes deste tema de investimento — em termos de procura e de progresso tecnológico — continuam sólidos e as empresas das áreas de interesse do tema devem sair beneficiadas nos próximos anos”, aponta.

  • Infraestruturas em transição

Ainda no que diz respeito à inclusão, o Credit Suisse vê como a tendência a redução do fosse nas infraestruturas. Os gastos com infraestruturas estão em expansão à medida que velhas economias tentam dar resposta a novas necessidades e apostam na sustentabilidade. Em simultâneo, novas economias aceleram a urbanização. “A expetativa de manutenção dos juros a um nível mais baixo, e até mesmo negativo em alguns momentos, por um longo período deve oferecer o incentivo certo para os investimentos. Como a preocupação climática tem atraído a atenção do grande público, os fortes catalisadores reguladores e políticos devem aumentar o dinamismo deste tema“, sublinha.

  • Economia da terceira idade

Também esta não é exatamente uma tendência nova, mas está a ganhar destaque. A economia da terceira idade e investimento para o envelhecimento da população reflete o crescente envelhecimento da população. Este irá impulsionar as oportunidades de negócio e o desempenho dos investimentos por muitos anos, segundo o Credit Suisse, que lembra que nos mercados emergentes irá ocorrer a uma velocidade ainda não compreendida.

  • Valores dos millenials

Do outro lado, estão os millenials, geração para a qual a sustentabilidade continua a ser um tema-chave. Nestes valores incluem-se o consumo responsável, bem como as práticas ambientais, sociais e governativas (ESG) como critério adicional ao investimento. “Com a saúde também no topo das prioridades dos millenials, existe uma procura crescente por alimentos saudáveis e sustentáveis: a dieta planetária. Por isso, juntamente com a transição para uma economia circular, incorporámos alimentos sustentáveis neste tópico de investimento“, acrescenta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Em tempos de Covid-19, onde investir? Seis temas que vão marcar o futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião