Talkdesk ajuda TAP a implementar teletrabalho

Em duas semanas, a solução da startup para a cloud permitiu colocar 200 agentes da TAP a trabalhar remotamente.

A Takdesk, unicórnio com ADN português, está a ajudar a TAP Air Portugal a colocar centenas de agentes em regime de teletrabalho. A solução tecnológica da empresa de software na cloud para call centers ajudou a companhia aérea nacional a colocar 200 pessoas em regime de teletrabalho em duas semanas. A ideia foi usar a tecnologia criada pela Takdesk e substituir o sistema on-premises (instalado em servidores físicos) da TAP por uma solução baseada na cloud. F

Ao longo de 2020, a TAP planeia expandir a tecnologia da Talkdesk aos seus três contact centers para uma força de trabalho de cerca de 500 agentes.

“O projeto foi desafiante, uma vez que apoiamos mais de 30 mercados e países em cinco idiomas diferentes, mas a Talkdesk revelou ser o parceiro ideal para esta jornada, por ter entendido a urgência que tínhamos em agir e por ter sido capaz de entregar uma solução em tempo recorde num momento particularmente crítico para nós”, detalha Eduardo Correia de Matos, diretor de customer service da TAP Air Portugal, citado em comunicado.

A rede da TAP estende-se por 89 destinos em 34 países um pouco por todo o mundo, o que, em condições normais, equivale a uma média de mais de 2.500 voos por semana.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Talkdesk ajuda TAP a implementar teletrabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião