Isabel dos Santos acusa autoridades de usarem passaporte falso com assinatura de Bruce Lee no arresto de bens

Empresária angolana diz que autoridades usaram um passaporte falso seu com a assinatura de Bruce Lee para avançar com o arresto de bens em Angola e Portugal.

Isabel dos Santos acusa as autoridades em Angola e Portugal de terem utilizado um passaporte falso seu, com a assinatura de Bruce Lee entre outras falsificações, para avançar com o arresto dos seus bens nos dois países.

Em comunicado, Isabel dos Santos diz que a Procuradoria-Geral de Angola usou como prova um “passaporte grosseiramente falsificado como supostamente pertencente” à empresária para que o tribunal decretasse em dezembro o arresto preventivo de bens e empresas, isto no âmbito de uma disputa de 1,1 mil milhões de euros reclamados pelo Estado angolano.

A empresária angolana alega que são vários os sinais de falsificação e que é “pouco credível que o Estado angolano não pudesse distinguir um passaporte falso de um documento verdadeiro por si emitido”. Nomeadamente que não tivesse detetado a “maior aberração” de o passaporte ter a “assinatura do falecido mestre de kung-fu e ator de cinema Bruce Lee”. Mas há mais sinais: a foto do passaporte foi tirada da internet, a data de nascimento está incorreta, apresenta várias palavras em inglês (“businesswoman” e “married”) quando a língua oficial de Angola é português, por exemplo.

“Negócio do Japão”

Isabel dos Santos conta que este passaporte forjado estava a ser usado por um golpista na internet sobre um suposto “negócio do Japão” e no qual se fazia passar por um fictício empresário do Médio Oriente, atuando em nome da empresária. Para executar a burla, o golpista usou um passaporte falso de Isabel dos Santos como fachada, “engendrando um negócio fraudulento, sendo que pretendia burlar uma pequena empresa no Japão”.

Porém, tanto o passaporte falso como os emails foram usados como prova em tribunal para demonstrar que Isabel dos Santos pretendia ilegalmente exportar capitais para o Japão e sustentar o pedido de arresto.

A Procuradoria angolana criou perante o tribunal uma falsa aparência de que a cidadã Isabel dos Santos se preparava para levar dinheiro para o Japão e desejava dissipar e esconder o seu património, e era urgente apoderar-se destes bens”, acusa a defesa da filha do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos.

Isabel dos Santos defende-se dizendo que “nunca conheceu e nem contactou as partes envolvidas neste esquema fraudulento e não tinha conhecimento da falsa proposta”. “A transação descrita nos e-mails é tecnicamente impossível, em tudo semelhante a uma típica burla de internet”, explica ainda em comunicado.

Portugal cooperou

Foi com base nestas falsificações que as autoridades judiciais angolanas solicitaram a outros países, designadamente Portugal, o arresto de bens. “A Justiça portuguesa decidiu cooperar com Angola, (…) e assim tem executado vários arrestos em Portugal com base em pedidos judiciais tomados e assentes em documentos forjados e falsos”, acusa Isabel dos Santos.

As autoridades procederam, em dezembro, ao arresto de várias empresas de Isabel dos Santos, nomeadamente Unitel, Banco BFA, Banco BIC, Hipermercados Candando, Cimangola, ZAP Media e todas as contas bancárias de Isabel dos Santos.

Em Portugal também foram arrestados vários bens e contas bancárias de Isabel dos Santos: Efacec, EuroBic, Zopt (detentora da Nos), entre outros bens.

(Notícia atualizada às 11h44)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos acusa autoridades de usarem passaporte falso com assinatura de Bruce Lee no arresto de bens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião