CGD já aprovou moratórias no crédito avaliadas em 4,7 mil milhões de euros

Banco recebeu 54 mil pedidos de moratórias nos empréstimos por parte das empresas, tendo já aprovado quase 38 mil no valor de 4,7 mil milhões de euros.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) recebeu 54 mil pedidos de moratórias no crédito por parte de famílias e empresas, tendo já aprovado 37.846 mil no valor de 4,727 mil milhões de euros.

O banco diz que já aprovou 25.993 moratórias solicitadas por particulares, entre crédito à habitação, crédito ao consumo, entre outros. Estes contratos totalizam os 2,129 mil milhões de euros. Cerca de sete mil pedidos elegíveis no valor de 800 milhões ainda estavam por decidir.

Em relação às empresas, já concedeu 11.853 moratórias no valor de 2,6 mil milhões de euros. Nove mil pedidos de empresas no valor de mil milhões de euros ainda estavam por decidir.

Estas moratórias visam ajudar famílias e empresas afetadas pela crise a pagar as prestações de capital e/ou juros mais tarde. Dividem-se pelos vários regimes criados: um regime público que vale apenas para contratos à habitação e empresas; e um regime da Associação Portuguesa de Bancos que abrangem os restantes contratos. A moratória individual da CGD teve pouca adesão.

Na conferência de apresentação de resultados, Paulo Macedo referiu que o período de seis meses da moratória pública “não é minimamente suficiente e penso que há disponibilidade de o governo” para prolongar os prazos.

O banco liderado por Paulo Macedo anunciou esta quarta-feira uma quebra de 31,6% dos lucros para 86,2 milhões de euros, com as provisões para a crise a atingirem os 60 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD já aprovou moratórias no crédito avaliadas em 4,7 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião