L’Oréal destina 150 milhões de euros à proteção social e ambiental

O programa “L'Oréal Para o Futuro” vai destinar 150 milhões de euros para apoiar mulheres vulneráveis a combater as consequências da pandemia e, ainda, investir em projetos de impacto ambiental.

Para ajudar a combater as consequências da pandemia, a L’Oréal criou o programa “L’Oréal Para o Futuro”, que inclui fundos de 150 milhões de euros para apoiar mulheres vulneráveis e ajudar a proteger o ambiente.

Para o ambiente, o grupo vai destinar 100 milhões de euros a investimentos de impacto ambiental, com o objetivo de contribuir para a regeneração de ecossistemas naturais danificados e a esforços para prevenir alterações climáticas. O Fundo L’Oréal para a Regeneração da Natureza visa restaurar um milhão de hectares de ecossistemas degradados, capturar 15 a 20 milhões de toneladas de CO2 e criar centenas de oportunidades de emprego até 2030.

“É essencial não dar passos atrás no que toca à transformação sustentável que o mundo precisa. Desejamos, portanto, reafirmar o nosso compromisso para com o meio ambiente e preservação da biodiversidade, enquanto ajudamos a mitigar a crise social das mulheres. Estas duas causas refletem os valores e o compromisso histórico da L’Oréal”, sublinha Jean-Paul Agon, CEO do grupo.

A crise do Covid-19 não poupa ninguém, mas também exacerba desigualdades existentes, com efeitos particularmente devastadores sobre as pessoas já desfavorecidas social ou economicamente ou vítimas de abuso, especialmente mulheres.

Alexandra Palt

Diretora de responsabilidade corporativa da L'Oréal.

Para ajudar as mulheres em dificuldades, que em muitos casos são as primeiras vítimas da crise, a L’Oréal criou um fundo de 50 milhões de euros. Este montante servirá para apoiar organizações e instituições de caridade locais nos seus esforços para combater a pobreza, ajudar as mulheres a integrar o mercado de trabalho, disponibilizar assistência de emergência a refugiadas e mulheres com deficiência, prevenir a violência contra as mulheres e apoiar as vítimas.

“A crise do Covid-19 não poupa ninguém, mas também exacerba desigualdades existentes, com efeitos particularmente devastadores sobre as pessoas já desfavorecidas social ou economicamente ou vítimas de abuso, especialmente mulheres“, sublinha Alexandra Palt, diretora de responsabilidade corporativa da L’Oréal.

Devido à pandemia, a L’Oréal decidiu renunciar ao aumento planeado de 10,4% dos dividendos e o CEO Jean-Paul Agon renunciou parte do seu salário variável, relativo a objetivos financeiros, ou seja, menos 30% da quantia máxima salarial anual 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

L’Oréal destina 150 milhões de euros à proteção social e ambiental

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião