Centro Nacional de Cibersegurança regista 295 incidentes dos quais 46% em março

  • Lusa
  • 14 Maio 2020

De um total de 295 incidentes de cibersegurança desde que foi decretado o estado de emergência (19 de março), "46% ocorreram no mês de março".

O Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) registou “um total de 295 incidentes” desde que foi decretado o estado de emergência, dos quais quase metade (46%) foram registados em março, disse esta quinta-feira à Lusa fonte oficial.

“Desde que foi decretado o estado de emergência o CNCS registou um total de 295 incidentes, sendo importante sublinhar que nem todos os incidentes de cibersegurança têm na sua origem ataques ou ações maliciosas“, disse o CNCS, quando questionado pela Lusa sobre o tema.

“Efetivamente, registou-se um aumento considerável de ataques informáticos decorrente do contexto de crise pandémica e do confinamento social no primeiro trimestre de 2020, em especial no mês de março”, prosseguiu a mesma fonte. Ou seja, de um total de 295 incidentes de cibersegurança desde que foi decretado o estado de emergência (19 de março), “46% ocorreram no mês de março”, apontou.

“Refira-se que a atenção mediática dada a um determinado tema, neste caso à pandemia de covid-19, costuma provocar a exploração do mesmo por parte de atores maliciosos, seja através de campanhas de ‘phishing’, ‘ransomware’, seja através de variadas formas de engenharia social“, salienta o CNCS.

“Além disso, o momento que se vive provoca alguma ansiedade nas pessoas, o que as leva a procurar mais informação sobre a pandemia e as torna mais vulneráveis a ações deste tipo”, acrescenta a mesma fonte, referindo ter-se verificado que “alguns destes incidentes estão diretamente relacionados com a temática da pandemia covid-19“.

Questionado sobre se identificaram os autores, o CNCS escusou-se a dar pormenores, explicando que “a investigação e resposta a um incidente é, normalmente, uma área de intervenção multidisciplinar, em que os vários atores e autoridades nacionais cooperam e exercem as suas ações na esfera das suas atribuições”. Neste sentido, “a identificação dos autores dos incidentes (e aqui consideramos os que atuam com motivações maliciosas ou ilegítimas), constitui informação sigilosa, que o CNCS não pode divulgar”.

Já sobre qual foi o maior alvo dos ataques informáticos – empresas ou utilizadores individuais -, o Centro Nacional de Cibersegurança apontou que, no período após a declaração do estado de emergência (19 de março), “notou-se um incremento significativo das notificações de incidentes por parte de utilizadores individuais, o que resulta de uma maior utilização de recursos digitais por parte dos mesmos”. No entanto, “podemos afirmar que as empresas continuam a ser o objeto privilegiado dos incidentes verificados“, acrescentou.

Questionado sobre se ficou tudo resolvido no caso do ataque que a EDP foi alvo, o CNCS salientou que “acompanhou e colaborou com a EDP no seu esforço de análise, resolução e recuperação do incidente de que foi alvo”, remetendo para o grupo energético a resposta final. “A resposta sobre o estado de resolução do incidente, uma vez que não se resume apenas à sua análise e erradicação, mas inclui também a reposição de serviços e processos de negócio, deverá ser remetida ao grupo EDP”, referiu o CNCS.

Sobre se os ataques informáticos registados em Portugal estão em linha com o que acontece na Europa, fonte oficial do CNCS recordou que “colabora diariamente com as suas congéneres europeias e com outros fóruns de CSIRT internacionais de que é filiado”. Na sequência desta colaboração, “verificamos que o cenário de crescimento verificado em Portugal está, de uma forma global, em linha com os restantes Estados-membros da União Europeia“, considerou.

Relativamente à proliferação de desinformação na rede, o CNCS garantiu que “está bastante atento a essa realidade”. “Temos vindo a alertar (os cidadãos e as empresas) para esta prática, através dos nossos canais de comunicação, redes sociais e site”, disse a mesma fonte.

“No contexto atual esse alerta tem surgido particularmente no âmbito de algumas campanhas de desinformação que utilizam o nome de organizações de referência da área da saúde, mimetizando a sua imagem com o objetivo de obterem dados pessoais ou ganhos financeiros”, acrescentou o CNCS.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centro Nacional de Cibersegurança regista 295 incidentes dos quais 46% em março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião