Zenklub capta 2,6 milhões de euros para expandir no mercado da saúde emocional

Ronda de investimento seed levantada pela plataforma luso-brasileira foi liderada pelos portugueses da Indico Capital Partners e contou ainda com participação do fundo espanhol All Iron.

Fundadores da Zenklub.D.R.

A Zenklub, uma plataforma online de saúde emocional e bem-estar, levantou 2,6 milhões de investimento, resultado de uma ronda seed liderada pela Indico Capital Partners, e na qual participou o fundo espanhol All Iron, da linha de financiamento da PME Investimentos 200M e de vários executivos brasileiros com ligação às indústrias da saúde e dos seguros, anunciou o fundo em comunicado.

A ronda de investimento servirá para aumentar o número de pessoas com acesso a cuidados de saúde emocional durante a pandemia, e dividido pelas unidades que a startup tem em Portugal e no Brasil. No Brasil, o foco será a expansão da empresa no segmento corporativo, de forma a estabelecer a saúde emocional como um benefício proporcionado para clientes e colaboradores. Já em Portugal, a empresa irá focar o investimento no consumidor final e ampliar a equipa de tecnologia baseada em Lisboa.

“A crise do Covid-19 alterou drasticamente as rotinas de todos nós o que gera quadros de ansiedade, depressão, síndrome de pânico e outras doenças psicossomáticas. A procura por soluções de saúde emocional tem vindo a crescer e com o espoletar da crise a solução online tornou-se evidente. A nossa missão sempre foi democratizar o acesso à saúde emocional e, no quadro atual de isolamento e dificuldade económica, o nosso propósito é mais relevante do que nunca”, assinala Rui Brandão, médico e CEO da empresa, citado em comunicado.

Fundada em 2016, a Zenklub é uma plataforma de bem-estar que democratiza o acesso à saúde emocional através do uso de tecnologia e inteligência artificial. A startup disponibiliza sessões de terapia online com especialistas, como psicólogos, psicanalistas e terapeutas holísticos, e complementa-as com conteúdos próprios, como testes e jornadas de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. Atualmente, a plataforma integra 400 especialistas.

“Temos à disposição um ecossistema emocional completo, desde informações sobre determinado tema a sessões com especialistas, para que cada pessoa escolha a sua jornada emocional”, sublinha Rui Brandão.

Para Stephan Morais, managing partner do Indico, depois de o fundo ter liderado a ronda pre-seed, em 2019, esta ronda é resultado do plano executado até ao momento. “As necessidades deste tipo serviço online já eram grandes, agora são óbvias. As maiores empresas mundiais estão a proporcionar este tipo de apoio aos seus colaboradores e o Brasil não vai ser exceção. Aliás, no Brasil as seguradoras já cobrem consultas online e esse é o caminho em todos os países”, sublinha.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zenklub capta 2,6 milhões de euros para expandir no mercado da saúde emocional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião