Digital ganhou força com o vírus. BCP vê oportunidades para cortar custos após a crise

Banco considera que pandemia acelerou a mudança nos hábitos de consumo dos clientes para online e mobile. Mas também diz que tem uma rede de balcões ajustada àquilo que é a sua quota de mercado.

O BCP BCP 1,04% vê “novas oportunidades” para reduzir os custos, mas considera que avançar agora com cortes, no meio da crise do coronavírus, teria um impacto negativo na sua reputação. Além disso, o banco sublinha que a rede de balcões está ajustada àquilo que é a sua quota de mercado, pelo que reduzir ainda mais dependerá do que a concorrência fizer.

“Acreditamos que, assim que a crise for ultrapassada, haverá novas oportunidades para cortes nos custos”, afirmou o administrador financeiro do BCP durante a conferência de analistas realizada esta quarta-feira.

Mas, “no meio desta crise, avançar com um grande plano de corte de custos poderá ter efeitos reputacionais que poderá pesar mais do que seis meses ou nove meses de poupanças nos custos que poderemos vir a ter“, frisou ainda Miguel Bragança.

"No meio desta crise, avançar com um grande plano de corte de custos poderá ter efeitos reputacionais que poderá pesar mais do que seis meses ou nove meses de poupanças nos custos que poderemos vir a ter.”

Miguel Bragança

Administrador financeiro do BCP

Segundo o responsável, a pandemia de Covid-19 veio acelerar a mudança nos hábitos de consumo dos clientes, com maior procura pelos canais digitais em detrimento dos balcões.

De acordo com o banco, os acessos digitais dispararam 64% para 22,5 milhões de acessos no primeiro trimestre do ano, com o peso das transações digitais a aumentar 12 pontos percentuais para 68%. Ou seja, quase 70 em 100 operações realizadas pelo BCP foram feitas através dos canais digitais.

Se isto significará redução do número de agências? Miguel Bragança diz que dependerá do que os outros bancos fizerem.

“Temos uma quota de balcões e de custos que é muito mais baixa em relação à nossa quota de mercado. Temos sido líderes nesta área. (…) A questão de quão forte vamos reduzir os custos e quão forte poderemos reduzir balcões está muito ligado com o que a concorrência esta a fazer”, explicou o CFO do BCP.

“Já estamos na linha da frente em termos de reduzida presença de de balcões e não queremos perder quota de mercado, o que seria mais caro de recuperar”, referiu.

O banco fechou março com um rácio de cost to income de 46%, sendo que o objetivo passa por baixar os custos de estrutura face ao negócio bancário (melhorando a sua eficiência) para um valor abaixo dos 40%.

O BCP tem 501 balcões em Portugal, menos 38 do que há um ano. O banco anunciou esta terça-feira lucros de 35 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 77% do que no mesmo período do ano passado, penalizado pelas provisões de 80 milhões de euros para fazer face à pandemia de Covid-19.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Digital ganhou força com o vírus. BCP vê oportunidades para cortar custos após a crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião