INE alerta para “forte contração da atividade económica em abril”, no auge da pandemia

O indicador de confiança dos consumidores atingiu o valor mínimo desde maio de 2013, revela o Instituto Nacional de Estatística.

O confinamento por causa da pandemia de Covid-19 levou a uma “forte contração da atividade económica em abril, agravando-se face ao observado em março”, alerta o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira. Em todos os setores, os indicadores de confiança diminuíram “de forma abrupta” face ao mês anterior.

“O indicador de confiança dos consumidores atingiu o valor mínimo desde maio de 2013 e o indicador de clima económico apresentado a redução mais acentuada da série e atingindo o valor mínimo”, aponta o INE. Quanto à confiança do comércio, este indicador também diminuiu de forma expressiva em abril, registando um novo mínimo da série.

Apesar de se notarem quedas em todos os indicadores de confiança setoriais, destaca-se o caso dos Serviços, nomeadamente nas secções de “Atividades artísticas, de espetáculo, desportivas e recreativas” e de “Alojamento, restauração e similares”, que ficaram fortemente limitadas durante o confinamento.

Alguns dados que ajudam a desenhar o cenário vivido durante abril são, por exemplo, a queda de 38,6% no montante global de levantamentos nacionais, de pagamentos de serviços e de compras em terminais de pagamento automático na rede multibanco, bem como a redução das vendas de veículos automóveis, nomeadamente a quebra de 87% nos automóveis ligeiros de passageiros.

Já para o indicador de consumo privado apenas há valores disponíveis para março, quando registou a taxa mínima desde dezembro de 2011, “devido sobretudo à diminuição abrupta do consumo duradouro, em particular da componente automóvel”.

A situação é transversal aos países da União Europeia, onde “o indicador de confiança dos consumidores registou uma diminuição abrupta em abril, a mais intensa da série (iniciada em 1985), retrocedendo para um nível próximo do mínimo histórico verificado em março de 2009″, sinaliza o INE, sendo que se registou uma tendência idêntica com o indicador de sentimento económico.

(Notícia atualizada às 11h55)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

INE alerta para “forte contração da atividade económica em abril”, no auge da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião