Dia Mundial da Biodiversidade. Intermarché e Técnico juntos na preservação de sobreiros e azinheiras

O projeto piloto – Life Food Biodiversity - tem como objetivo a regeneração natural do montado, o que irá promover uma rendibilidade adicional de 60€ a 100€ por ano.

É considerado como um dos 35 hotspots da biodiversidade no mundo, a par com as florestas da Amazónia (América do Sul) ou do Bornéu (Ásia). O montado é um ecossistema muito particular, comporto por florestas de azinheiras, sobreiros, carvalhos ou castanheiros. Em Portugal, país com a maior extensão de sobreiros do mundo (33% da área mundial), o montado está protegido por lei, sendo proibido o seu abate e incentivada a exploração. A Rede Natura 2000 considera os montados e os bosques de sobro importantes para a conservação da biodiversidade porque desempenham um papel fundamental em processos ecológicos como a retenção de água, a conservação do solo ou a fixação de carbono.

Tendo em conta esta importância do montado, não só para o ambiente como para a economia do país, o Intermarché, insígnia alimentar Grupo dos Mosqueteiros, juntou-se ao Instituto Superior Técnico (IST) num projeto piloto – Life Food Biodiversity – que tem como objetivo a preservação de sobreiros e azinheiras. O projeto será implantado nas explorações de produtores que pertencem ao Programa Origens, de apoio à produção nacional, e que nesta fase envolve uma área de cerca de 7000 hectares.

O projeto desenvolvido pelo IST e apoiado pelo Intermarché prevê a colocação de proteções nas árvores jovens, contra a ação do gado, com vista a melhorar a diversidade do terreno e assim gerar resultados relevantes que aumentem a eficiência económica do produtor. Esta regeneração natural do montado irá promover uma rendibilidade adicional de 60€ a 100€ por ano.

“Protegendo os sobreiros, com os protetores individuais resistentes à ação do gado, é possível melhorar o desempenho em termos de biodiversidade dos rótulos e selos da indústria alimentar, apoiando estas organizações com a inclusão de critérios de biodiversidade eficientes”, explicou Martinho Lopes, Administrador do Intermarché.

Nuno Sarmento, investigador do IST responsável pelo projeto, adianta: “Há neste projeto uma componente muito importante de preservação do ecossistema e da biodiversidade que acreditamos ser fundamental para a regeneração dos solos e consequente aproveitamento agrícola. É fácil percebermos isto quando olhamos para os objetivos delineados, uma das metas é exatamente diminuir o uso de fertilizantes e de alimentos concentrados, aumentando assim a produtividade e consequentemente a viabilidade económica das produções.”

A iniciativa pretende proteger as árvores jovens; fomentar e/ou conduzir a regeneração natural do Montado o que irá promover uma rendibilidade adicional de 60€ a 100€/ano; implantar pastagens permanentes biodiversas ricas em leguminosas, bem adaptadas às condições do solo da parcela, o que irá permitir aumentos de produtividade de pelo menos três vezes mais matéria seca por hectare, ao ano, nos 5 anos de aplicação e minimizar as mobilizações do solo dentro do montado, corta matos em vez de gradagens o que se traduz em aumentos significativos de matéria orgânica no solo, ganhos de produtividade de 500 a 1000kg de matéria seca por hectare, ao ano.

O projeto – Life Food Biodiversity – é um projecto da União Europeia que pretende melhorar a conservação de espécies e habitats ameaçados, apoiando projetos-piloto que visem a implementação de medidas que travem a perda de biodiversidade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dia Mundial da Biodiversidade. Intermarché e Técnico juntos na preservação de sobreiros e azinheiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião