Parlamento vai ouvir António Ramalho e Carlos Costa. Quer ver contrato da venda do Novo Banco

Deputados da Comissão de Orçamento e Finanças também concordaram em pedir informação ao Novo Banco e Fundo de Resolução antes das audições que deverão ter lugar nas próximas semanas.

Os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças aprovaram por unanimidade a proposta do PAN para a audição do presidente do Novo Banco, António Ramalho, e do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, disse fonte parlamentar ao ECO.

O requerimento foi aprovado com os votos a favor do PAN, PS, PSD, CDS, Bloco de Esquerda, PCP e Iniciativa Liberal. Ainda assim, deputados daquela comissão decidiram que as audições iam abordar não só a questão dos bónus atribuídos à administração do Novo Banco, tal como dizia o requerimento do PAN, mas também outros assuntos que marcaram a agenda nos últimos dias, nomeadamente o aumento de salários e decisões da gestão na venda de ativos que estão na origem das injeções do Fundo de Resolução.

A mesma fonte adiantou que a comissão quer estar na posse de toda a documentação para a realização das duas audições, e por isso vai solicitar, com caráter de urgência, um conjunto de documentos ao Novo Banco e ao Fundo de Resolução. O objetivo ter a informação antes das audições que deverão ter lugar “nas próximas semanas”.

Um dos documentos que tinha sido pedido pelo Bloco de Esquerda foi o contrato de venda do banco aos americanos do Lone Star, em outubro de 2017. Também o PSD enviou ao Novo Banco um pedido de informação sobre operações de venda de ativos.

Na semana passada, o Novo Banco mostrou-se disponível para esclarecer todas as questões aos deputados acerca da gestão do banco nos últimos anos, nomeadamente os prejuízos e as injeções milionárias do Fundo de Resolução (cerca de 3.000 milhões de euros), com recurso a empréstimos do Estado (2.100 milhões), recusando-se ser usado como “arma de arremesso político e em manobras político-mediáticas”.

A tomada de posição do banco surgiu depois das críticas de que tem sido alvo, sobretudo da parte de dirigentes políticos, que questionaram a dimensão das perdas desde que foi vendido ao fundo de private equity americano, com uma garantia pública no valor de 3.890 milhões, e ainda a decisão de atribuir um bónus diferido e condicionado aos membros da administração que totaliza dos dois milhões de euros.

(Notícia atualizada às 19h31)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento vai ouvir António Ramalho e Carlos Costa. Quer ver contrato da venda do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião