Vieira da Silva: É preciso “reforçar a quantidade e qualidade” dos recursos humanos da Administração Pública

"Portugal tem de reforçar a quantidade e a qualidade dos recursos humanos da Administração Pública", defendeu Vieira da Silva, ex-ministro do Trabalho e da Segurança Social.

O país tem de reforçar “a quantidade e a qualidade” dos recursos humanos da Administração Pública ou arrisca-se a enfrentar novos desafios trazidos pelo envelhecimento desses trabalhadores, defendeu esta quarta-feira José António Vieira da Silva. O antigo ministro do Trabalho esteve a participar numa conferência promovida pelo Conselho Económico e Social (CES) sobre o emprego e a proteção social, em tempos de pandemia.

“Portugal tem de reforçar a quantidade e a qualidade dos recursos humanos da Administração Pública. Se não o fizer, arrisca-se a enfrentar outras dificuldades com uma Administração Pública ainda mais envelhecida“, disse o ex-governante, que lembrou que há setores do Estado que têm uma média etária entre os seus trabalhadores superior a 50 anos.

Vieira da Silva frisou que esse investimento não passa somente por novas contratações, mas também pela simplificação e agilização desses processos de modo a que contratar, por exemplo, 100 pessoas não demore quatro anos. “Esta revolução tem de ser feita, porque com isso não vamos gastar dinheiro, vamos melhorar o desempenho”, acrescentou, considerando que esta é uma “parte fundamental” de uma política contra cíclica.

O ex-ministro do Trabalho deixou também uma nota sobre a tendência de relocalização das cadeias produtivas que poderá resultar desta crise pandémica e defendeu que Portugal e as empresas portuguesas não estão “condenados a ser os parentes deserdados” dessa situação. Isto porque há empresas portuguesas que estão inseridas em clusters, como o automóvel, e que, por isso, poderão “beneficiar da relocalização”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vieira da Silva: É preciso “reforçar a quantidade e qualidade” dos recursos humanos da Administração Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião