Novo Banco abandona Espanha após 450 milhões de prejuízos

Ronaldo chegou a dar cara pelo BES em Espanha, ainda no tempo de Salgado. O Novo Banco pôs agora a sucursal espanhola à venda, depois de prejuízos de 450 milhões nos últimos seis anos.

“Donde voy a estar dentro de 3 años?” Em 2009, Cristiano Ronaldo chegou a dar cara pelo antigo BES Espanha. A estrela do futebol português simbolizava na perfeição a ambição de Ricardo Salgado para o mercado vizinho. Com a resolução do banco em 2014 tudo mudou. O Novo Banco está agora de saída depois dos prejuízos de mais de 450 milhões de euros nos últimos seis anos.

António Ramalho já anunciou aos 200 trabalhadores da sucursal espanhola e também aos sindicatos que a operação foi colocada à venda. Já foram feitos os primeiros contactos com bancos de investimento para procurarem um comprador. Se tudo correr como planeado, a saída do Novo Banco de Espanha deverá arrancar nas próximas semanas.

A venda do negócio espanhol não estava nos planos. Aliás, 2019 tinha sido um ano de “profunda transformação” para a sucursal com o objetivo de criar “condições objetivas para um crescimento sustentável”, segundo o relatório e contas do ano passado. Mas não vai acontecer.

O Novo Banco já deixou várias geografias (Cabo Verde, Ásia, França e Caimão), num redimensionamento provocado pelo plano de reestruturação de Bruxelas. Em relação a Espanha, a ideia era manter a operação para tornar o Novo Banco numa instituição de vocação ibérica. Porque foi colocado à venda? O El Confidencial diz que se trata de uma espécie de contrapartida pelas injeções de capital que o Estado português tem feito.

Este anúncio surge num momento de grande turbulência à volta do Novo Banco, com as críticas atingirem também a própria administração por causa dos bónus e dos aumentos salariais. Os prejuízos do banco têm obrigado a injeções milionárias com recurso a empréstimos dos contribuintes. Os partidos políticos querem explicações sobre tudo isto.

Em Espanha, os prejuízos foram avolumando-se à medida que a partir de Lisboa se procedia à reestruturação e limpeza de todo o banco. Só no ano passado as perdas na sucursal espanhola superaram os 100 milhões de euros.

Além da redução do negócio bancário — em cinco anos as receitas com juros e comissões caíram mais de 65% para 55 milhões de euros no ano passado –, contribuiu ainda para este mau desempenho a venda de uma carteira de malparado e de imóveis (o Projeto Albatros) de 300 milhões de euros. Gerou uma perda de mais de 30 milhões (acima das imparidades que já tinham sido constituídas).

Prejuízos em Espanha superam os 450 milhões

Fonte: Relatório e contas do Novo Banco

O Novo Banco Espanha fechou 2019 com ativos líquidos de dois mil milhões de euros, 198 funcionários e 11 balcões.

Além do banco, também o negócio de gestão de ativos (Novo Activos Financieros España), com mais de 800 milhões de euros entre fundos de investimento, fundos de pensões e SICAVs, foi vendido no final do ano passado à gestora espanhola Trea Asset Management. O closing do negócio deverá concretizar-se durante este segundo trimestre.

Fraude em Santander

Nos últimos meses, o negócio em Espanha foi abalado por um escândalo no balcão de Santander (entretanto encerrado). Um ex-gestor do Novo Banco em Espanha terá burlado 76 clientes daquela região em dezenas de milhões de euros, através de um esquema de pirâmide que terá durado mais de uma década.

A polémica levou António Ramalho e o administrador Vítor Fernandes a Madrid para lidarem diretamente com o dossiê, como revelou o ECO em primeira mão. Não se sabe qual é a dimensão da fraude, nem o impacto nas contas do banco. Mas o próprio presidente já admitiu que vai ter custos: “Aquilo que seremos chamados é menos do que se anuncia e sempre muito mais do que devia ser”.

Segundo a imprensa espanhola, 15 dos 76 clientes afetados investiram mais de um milhão de euros. Dez clientes são sociedades e outros 66 são clientes particulares que agora procuram ser ressarcidos.

Do lado do banco, estão em curso várias diligências para apurar as responsabilidades e perceber a extensão da fraude. Foi enviada uma equipa de Lisboa que está neste momento a realizar uma auditoria interna. Também está em curso uma auditoria externa forense para detetar a existência de indícios de eventuais práticas ilícitas. Não se sabe, ao certo, quando é que o esquema terá começado, nem a extensão da fraude.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco abandona Espanha após 450 milhões de prejuízos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião