Eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas. Classe B passa a ser a mais eficiente

A UE aprovou novas etiquetas energéticas, mais simples de interpretar, diz a Deco: a nova escala vai do A (mais eficiente) ao G (menos). Para já a classe B será a melhor para poupar na conta da luz.

Já a partir de novembro vai ser mais fácil escolher eletrodomésticos eficientes e poupados lá para casa. Televisores, frigoríficos e arcas congeladoras, máquinas de lavar loiça, de lavar roupa e de lavar e secar roupa vão ter uma nova etiqueta energética, anuncia a Deco esta sexta-feira, 29 de maio, em que se assinala mais um Dia Mundial da Energia.

“Há muito que as organizações de consumidores, entre as quais a Deco Proteste, reivindicam uma nova etiqueta energética junto da União Europeia. A nova legislação comunitária acaba com as classes A+, A++ e A+++ das etiquetas de vários eletrodomésticos, passando a etiqueta a ostentar uma escala mais simples de interpretar, de A (mais eficiente) a G (menos eficiente)“, explica a defesa do consumidor.

“A medida beneficia os consumidores porque permite escolher um produto ou equipamento com melhor desempenho energético e, assim, poupar eletricidade. Além disso, com a nova medida, a União Europeia promove a corrida para a inovação tecnológica. Os fabricantes terão de se esforçar por desenvolver equipamentos mais eficientes do que os atuais, de modo a alcançar a classe A”, frisa a Deco.

A partir de 1 de março de 2021, a afixação desta nova etiqueta energética passará a ser obrigatória para televisores, frigoríficos e arcas congeladoras, máquinas de lavar loiça, de lavar roupa e de lavar e secar roupa. No entanto, os novos produtos lançados a partir de novembro de 2020 já deverão incluir, no interior da embalagem, tanto a etiqueta nova como também a antiga (nas lojas físicas e online). Em setembro de 2021 a nova etiqueta energética será expandida para as lâmpadas LED e, mais tarde, para outros equipamentos.

De acordo com a Deco, um inquérito realizado junto dos consumidores revelou que a escala atual induz em erro. “Isto porque a maior parte dos eletrodomésticos situa-se, hoje, nas classes A+, A++ e A+++, deixando as classes inferiores vazias, essencialmente porque os aparelhos menos eficientes foram entretanto desaparecendo do mercado. Muitos consumidores não têm hoje a noção de que um eletrodoméstico A+ é, na verdade, menos eficiente do que a maioria dos aparelhos mesmo tipo”, sublinha a associação.

Para resolver este problema, a União Europeia decidiu rever a escala da etiqueta: as classes A+, A++ e A+++ desaparecem, dando lugar a uma classificação de A a G, “mais fácil de interpretar”, prevê a Deco, acrescentando: “A classe A corresponde ao topo em termos de eficiência energética. Inicialmente, esta classe A irá manter-se vazia, para encorajar os fabricantes a desenvolverem equipamentos mais eficientes”.

Para evitar confusões, importa saber que, com as novas etiquetas energéticas, os equipamentos mais eficientes situar-se-ão na classe B ou nas classes inferiores a esta. Além disso, na nova etiqueta energética os fabricantes deverão integrar um código QR, com um acesso direto a toda a informação sobre o produto.

Ao digitalizar o código QR com o smartphone, o consumidor será encaminhado para uma base de dados gerida pela União Europeia (EPREL), onde poderá ver e fazer o download da ficha técnica para todos os aparelhos com a nova etiqueta.

O projeto BELT (Boost Energy Label Take Up), financiado pela União Europeia ao abrigo do programa “Horizonte 2020”, qual visa prestar apoio na implementação da nova etiqueta energética e promover a adoção de equipamentos mais eficientes ao nível europeu. Em Portugal, a Deco Proteste é responsável pela sua implementação ao nível dos consumidores, em cooperação com outros dois parceiros nacionais do projeto junto dos retalhistas: a Sonae e a Worten.

Da mesma forma, o projeto europeu LABEL2020 (a cargo da ADENE, com o apoio da Direção-Geral de Energia e Geologia) irá, em paralelo, trabalhar para a comunicação e apoio no processo de chegada das novas etiquetas energéticas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas. Classe B passa a ser a mais eficiente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião