Administradores judiciais obrigados a seguro mínimo de 500 mil euros

  • Lusa
  • 4 Junho 2020

O montante mínimo do risco coberto pelo seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos administradores judiciais está fixado nos 500 mil euros, definiu o Governo.

O Governo definiu esta quinta-feira em 500 mil euros o montante mínimo do risco coberto pelo seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos administradores judiciais, revela uma portaria do Ministério da Justiça hoje publicada.

“O estabelecimento destes limiares não impede que as empresas de seguros criem outros produtos que assegurem coberturas de risco mais elevado, ficando tal possibilidade na disponibilidade das partes contratantes desses produtos”, especifica a ministra da Justiça no diploma hoje publicado, que entra em vigor na sexta-feira.

O montante mínimo do risco coberto pelo seguro, segundo a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, foi definido de acordo com a experiência já recolhida durante os cerca de seis anos de vigência do estatuto profissional daqueles administradores.

O estatuto dos administradores judiciais instituiu a obrigatoriedade de estes profissionais disporem de um seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional, tendo remetido para regulamentação a definição do montante do risco coberto pelo referido seguro, o que veio hoje a efetivar-se pela publicação do diploma.

A ministra explica, no diploma, que a circunstância de os administradores judiciais lidarem, no exercício das suas funções, com o património de terceiros (situações de insolvência, devedores em situação económica difícil, bem assim como os correspondentes credores) e o caráter de profissionais liberais de que beneficiam no exercício das suas funções “potenciam a ocorrência de riscos” que o seguro pretende mitigar, tanto quanto possível.

Correção: Artigo corrigido após nova versão da Lusa com alteração do montante mínimo de risco que é de 500 mil euros e não 500 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administradores judiciais obrigados a seguro mínimo de 500 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião