Bruxelas prevê mercado laboral da UE em “difícil situação” por dois anos

  • Lusa
  • 4 Junho 2020

O comissário europeu do Emprego prevê que o mercado laboral europeu fique numa "difícil situação" durante, pelo menos, dois anos. Turismo e indústria automóvel serão os setores mais afetados.

A Comissão Europeia prevê que o mercado laboral europeu esteja numa “difícil situação” durante pelo menos dois anos, devido ao coronavírus, falando numa “subida acentuada do desemprego”, que afetará principalmente os jovens e setores como turismo e indústria automóvel.

“Mesmo no cenário mais positivo, diria que vamos ter uma situação difícil no mercado laboral durante pelo menos dois anos”, dada a crise gerada pela pandemia, disse o comissário europeu do Emprego, Nicolas Schmit, em entrevista à Lusa, em Bruxelas. Recorrendo às mais recentes estimativas do executivo comunitário, o responsável realçou que haverá “um aumento significativo no desemprego a nível europeu” este ano, para níveis superiores a 9% e acima da anterior crise financeira de há dez anos, afetando mais “algumas camadas da população”, sendo “os jovens os primeiros”.

“Alguns setores foram fortemente atingidos e o turismo é um deles. O turismo emprega muita gente, incluindo em Portugal, em Espanha e praticamente em todo o sul da Europa”, observou Nicolas Schmit. O responsável luxemburguês destacou que os principais trabalhadores neste setor são inclusivamente os jovens, pelo que antecipou um “risco real de que o desemprego juvenil aumente acentuadamente”.

Acresce que, com as empresas “numa situação frágil por causa da suspensão das atividades”, estas “não darão oportunidades aos jovens” em novas contratações, apontou Nicolas Schmit. Por isso, “a Comissão Europeia irá fazer o possível para lutar contra isso e vai apresentar uma série de propostas” de incentivo ao emprego juvenil, anunciou, sem precisar.

Mas as medidas restritivas adotadas para tentar conter a pandemia, que paralisaram a economia, também tiveram “impacto nos postos de trabalho” de outros setores, de acordo com o comissário europeu. “Tivemos esta queda significativa na atividade económica, especialmente em setores como o turismo, a hotelaria, o automóvel e o retalho porque as pessoas foram impossibilitadas de ir às lojas”, enumerou.

Em todos estes setores “existe o risco de despedimentos”, admitiu Nicolas Schmit, justificando-o desde logo com a incerteza à volta da retoma dos negócios. “Não sabemos ainda exatamente quão rápida será a recuperação económica, quão rápido as pessoas voltarão [às lojas] para comprar roupas, carros e etc. e quão rapidamente conseguiremos abrir as atividades turísticas”, elencou.

Para Nicolas Schmit, o foco dos líderes europeus deve agora centrar-se nas propostas apresentadas na semana passada pela Comissão Europeia, de um Fundo de Recuperação da economia europeia no pós-pandemia de 750 mil milhões de euros e de um Quadro Financeiro Plurianual revisto para 2021-2027 no valor de 1,1 biliões de euros.

“Se tivermos uma boa e rápida recuperação em todas as economias […], então o impacto no emprego será menos dramático e teremos, provavelmente, uma subida menor do desemprego do que a prevista”, frisou o comissário europeu, falando em semanas de negociações “decisivas também para o mercado laboral”. “O emprego é sempre resultado do nível de atividade das nossas economias e, por isso, a implementação do Fundo de Recuperação, como proposto pela Comissão Europeia na semana passada, é de extrema importância”, concluiu.

Em previsões económicas divulgadas no início de maio, a Comissão Europeia disse estimar que a economia da zona euro conheça este ano uma contração recorde de 7,7% do PIB, como resultado da pandemia, recuperando apenas parcialmente em 2021, com um crescimento de 6,3%.

Também para a zona euro, Bruxelas projetou que a taxa de desemprego suba este ano para os 9,6% (face aos 7,5% registados em 2019) e recue apenas parcialmente para os 8,6% em 2021. Já para o conjunto dos 27 países, o executivo comunitário apontou para uma recessão de 7,4% do PIB, seguida de uma retoma parcial em 2021, na ordem dos 6,1%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas prevê mercado laboral da UE em “difícil situação” por dois anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião