Há 68 praias “zero poluição” em Portugal. Saiba quais são

Em Portugal, existem 68 praias que carregam o título de "zero poluição" da associação Zero. Torres Vedras, Peniche e Angra do Heroísmo são os concelhos que contam com mais praias não poluídas.

É oficial. Este sábado tem início a tão esperada época balnear de 2020 em algumas zonas do país, que surge como um verdadeiro oásis no deserto em plena fase de desconfinamento, depois de meses fechados em casa por causa da pandemia de Covid-19 que tomou de assalto Portugal e o mundo.

Portugal tem 850 km de praias, de norte a sul, e 830 mil lugares disponíveis nos areais, de acordo com as regras de distanciamento social traçadas pela Agência Portuguesa do Ambiente. Há ainda as praias com Bandeira Azul (são 360 este ano) e outras tantas (381) com Qualidade de Ouro da Quercus.

Além disso, diz a associação ambientalista Zero, Portugal tem 68 zonas balneares sem qualquer poluição na água, um aumento de 55 pontos percentuais, e mais 24 praias, em relação às 44 classificadas o ano passado, avançou a Associação Sistema Terrestre Sustentável Zero.

Todas estas 68 zonas balneares são costeiras (mar) e representam 11% do total das 621 zonas balneares em funcionamento este ano. Os concelhos com maior número de praias sem poluição localizam-se em Torres Vedras (10), Peniche (5), Angra do Heroísmo (5), Praia da Vitória (4) e Tavira (4).

Conheça as praias do país com “zero poluição”:

O que é uma praia sem poluição?

A associação Zero explica em comunicado que uma “praia zero poluição é aquela em que não foi detetada qualquer contaminação microbiológica nas análises efetuadas às águas balneares ao longo das três últimas épocas balneares”.

De acordo com dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), a Associação Zero identificou as praias que, ao longo das três últimas épocas balneares (2017, 2018 e 2019), não só tiveram sempre classificação “excelente” como apresentaram valores zero ou inferiores ao limite de deteção em todas as análises efetuadas aos dois parâmetros microbiológicos controlados e previstos na legislação (escherichia coli e enterococos intestinais).

Zero deixa alertas no arranque da época balnear

  • Não devem ser deixados quaisquer resíduos na praia e, de preferência, devem ser encaminhados através da recolha seletiva. Cuidados adicionais deverão ser tomados ao deitar fora luvas e máscaras. Mais de 80% dos 12,2 milhões de toneladas de plástico que entram no ambiente marinho em cada ano vêm de fontes terrestres, sendo o maior contribuinte o lixo de plástico, incluindo itens como garrafas de bebidas e outros tipos de embalagens. Este ano também estão a ser detetados resíduos consideráveis e máscaras e luvas no Mediterrâneo.
  • Deve-se preservar a paisagem e os ecossistemas envolventes das zonas balneares, evitando o pisar as dunas ou outras áreas sensíveis.
  • Por razões ambientais e de segurança, só devem ser frequentadas praias classificadas como zonas balneares, onde há vigilância e onde se conhece a qualidade da água.
  • Devido à situação de pandemia, devem ser salvaguardados os distanciamentos adequados relativamente a terceiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 68 praias “zero poluição” em Portugal. Saiba quais são

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião