Depois de uma recessão de 6,9% em 2020, Governo prevê retoma de apenas 4,3% no próximo ano

Já se conhecem as previsões macroeconómicas que vão estar no Orçamento Suplementar. A economia portuguesa afunda 6,9% este ano, e recupera apenas 4,3% no próximo.

O Governo já publicou em Diário da República a resolução que aprova o Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), onde estão as previsões económicas que vão fazer parte do Orçamento do Estado Suplementar que será entregue ao Parlamento na próxima semana.

Na apresentação do PEES, o primeiro-ministro já tinha anunciado que o PIB iria afundar 6,9% este ano por causa da crise económica provocada pelo Covid-19, “a maior contração que há registo nas últimas décadas”. Agora já se conhecem também as previsões para 2021, sendo que o Governo prevê uma recuperação de apenas 4,3%.

Este número surpreende já que mostra que o Governo está mais pessimista do que algumas organizações internacionais, como a Comissão Europeia que prevê para este ano uma recessão parecida com aquela projetada pelo Governo (de 6,8%), mas antevê uma recuperação mais robusta, de 5,8%, no próximo ano.

Já o FMI prevê uma quebra este ano do PIB de 8%, seguida de uma recuperação de 5% no próximo ano.

Uma das previsões mais recentes publicadas sobre a economia portuguesa são as do Conselho das Finanças Públicas que são ainda mais pessimistas do que as Governo: no cenário base, vê o PIB a cair 7,5% este ano, e a recuperar apenas 3% em 2021.

Quando apresentou o PEES, António Costa também desvendou a previsão para o desemprego este ano, de 9,6%. Agora foram revelados os números para 2021: vai existir uma melhoria ligeira da taxa de desemprego para 8,7%.

As previsões do Governo para 2020 e 2021

No PEES, publicado este sábado e Diário da República, o Governo estima que “a pandemia tenha um efeito negativo na procura externa relevante para as exportações portuguesas em 2020, prevendo-se uma redução de 15,4% nas exportações, após registar-se um crescimento de 3,7% em 2019. Parte deste efeito reflete uma redução nas exportações de serviços do setor do turismo, onde o impacto da pandemia se espera particularmente severo”.

O investimento deverá recuar 12,2%, após ter registado um crescimento de 6,6% no ano anterior. “Esta evolução é explicada por uma contração no investimento privado, que deverá ser parcialmente compensada por um aumento do investimento público”, escreve o Governo.

O consumo privado deverá reduzir-se em 4,3%, após registar um crescimento superior a 2% durante seis anos consecutivos (2,2% em 2019). A redução, que deverá ser mais acentuada na componente de bens duradouros, “reflete a diminuição esperada no rendimento disponível das famílias”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de uma recessão de 6,9% em 2020, Governo prevê retoma de apenas 4,3% no próximo ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião