Entre a natureza e o mar, há um retiro nos Açores com isolamento social incluído

O sul Villas & Spa tem vilas independentes com entradas separadas e estacionamento privado. Hóspedes podem desfrutar de uns dias de descanso sem contactar com outras pessoas.

Situado na costa sul da Ilha de São Miguel, nos Açores, e com uma vista privilegiada para a Baía de Santa Cruz e para o azul do Atlântico, o Sul Villas & Spa volta a reabrir as suas portas esta segunda-feira, 15 de junho. Sossego, isolamento, distância social, comunhão com a natureza e o mar marcam esta reabertura, em plena pandemia de Covid-19.

Estreado há um ano, o projeto hoteleiro é composto por 12 villas independentes com vista para a imensidão do oceano. Numa altura em que as multidões ainda são completamente desaconselhadas, todos estes alojamentos têm entradas separadas e estacionamento próprio. “O cliente não tem que passar pela receção e todo o processo é tratado antecipadamente online”, explica a empresa em comunicado.

O projeto foi inaugurado em junho de 2019 por Rodrigo Herédia, ex-campeão nacional de surf, que pouco meses depois da abertura foi apanhado de surpresa por uma pandemia mundial. Agora, com o país a desconfiar, as praias a abrir e os hotéis prontos a receber hóspedes, o Sul Villas & Spa adotou medidas extra de higiene e segurança.

Tendo como prioridade a saúde dos clientes e colaboradores, os responsáveis do projeto aderiram ao selo Safe & Clean, instituído pelo Turismo de Portugal, implementando todos os procedimentos de segurança e higiene recomendados.

Automonitorização diária e higienização do espaço e roupas, limpeza das superfícies e objetos de utilização comum várias vezes ao dia, desinfeção das piscinas privadas, definição de cuidados específicos para troca de roupa de cama e limpeza das vilas são algumas das medidas que o hotel adaptou.

Como o isolamento e a distância social são as palavras de ordem, algumas das villas têm piscina ou jacuzzi privado. O pequeno-almoço pode também ser servido no alojamento, mediante marcação prévia. Neste empreendedorismo existe ainda uma “villa” direcionada a pessoas infetadas com Covid-19 ou casos suspeitos.

Os preços médios da estadia podem ir dos 200 até aos 350 euros por noite, tudo depende se é uma suíte standard, se é uma suíte com piscina privada aquecida ou se tem um jacuzzi privado.

Para os amantes da natureza e da vida marinha, a observação de cetáceos e a natação com golfinhos são também atividades disponíveis.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entre a natureza e o mar, há um retiro nos Açores com isolamento social incluído

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião