Pode o luxo ser sustentável? Joias da Chopard são feitas de ouro 100% ético

Marca de joalharia de luxo, que usa ouro 100% ético nas suas peças, acaba de assinar parceira com Swiss Better Gold Association que visa obter ouro através de mineiros artesanais colombianos.

A Chopard, marca suíça de joalharia de luxo que todos os anos marca presença com as suas joias na passadeira vermelha dos Óscares, em Hollywood, e fabrica os troféus Palma de Ouro do festival de Cinema de Cannes, deu mais um passo no caminho rumo à sustentabilidade. Há dois anos que só usa ouro 100% ético nas suas coleções e em 2020 assinou uma parceria com a Swiss Better Gold Association com o objetivo de adquirir ouro através de mineiros artesanais colombianos, os Barequeros de El Chocó, na Colômbia.

El Chocó é a segunda maior região produtora de ouro na Colômbia, mas também uma das mais pobres do país. Os Barequeros são mineiros artesanais, entre os quais 46% são mulheres. Na sua atividade, são usadas técnicas locais tradicionais de mineração com equipamentos manuais e, não usam mercúrio, protegendo assim a biodiversidade da região, que é uma das únicas do mundo.

Desde 2013, que a Chopard apoia a mineração artesanal através da iniciativa Journey to Sustainable Luxury e, em 2018 anunciou que ia usar apenas ouro 100% ético nas suas joias e relógios. A partir desta data, a Chopard anunciou a criação de uma cadeia de fornecimento de ouro 100% ético para todas as suas criações de relógios e joias. Foi a primeira casa de relojoaria e joalharia de luxo a apoiar diretamente as comunidades de mineração, fornecendo treino, bem-estar social e apoio ambiental.

A partir de julho de 2018, a Chopard assumiu mundialmente o compromisso de usar apenas ouro 100% ético em todas as suas joias e coleções de relógios. “Enquanto empresa empresa familiar, a ética sempre foi uma parte importante de nossa filosofia de trabalho”, disse nessa altura Caroline Scheufele, copresidente e diretora criativa da Chopard.

O ouro ético é aquele que vem de minas artesanais, com uma exploração de pequena escala. Estas minas são certificadas e obtêm o selo de qualidade “Fairmined”. Significa que nos processos de extração e transformação do ouro respeitam os direitos humanos, as condições de trabalho e o ambiente. Exploração infantil e o envenenamento por mercúrio são dois dos riscos associados à mineração de ouro, da qual dependem para sobreviver 100 milhões de pessoas no mundo.

“A sustentabilidade é um compromisso em movimento, é uma jornada que nunca termina. Hoje, mais do que nunca, deve ser a nossa prioridade proteger as pessoas que potenciam os nossos negócios. Sinto muito orgulho por termos conseguido fazer parte deste projeto extraordinário em parceria com a Swiss BetterGold Association (SBGA) e, espero vê-lo crescer ao longo dos anos”, refere Caroline Scheufele, copresidente e diretora criativa da Chopard.

“Tenho muito orgulho de fazer parte deste projeto responsável que reconhece o trabalho da mineração artesanal e, agradeço aos que compram o nosso ouro. Por ser fruto do trabalho das nossas mãos, cada grão de ouro é o resultado de muito esforço e ajuda na sustentação das nossas família“, explica Paola Córdoba, uma Barequera de Istmina, Chocó.

Os Barequeros necessitam de obter uma permissão especial que lhes permita produzir manualmente e vender 420 gramas de ouro por ano. Este programa assegura que os Barequeros receberão não apenas um preço competitivo, mas também, um incentivo especial de 70 cêntimos de dólar por cada grama. O objetivo é que usem este valor para melhorar as suas condições de vida e trabalho. Para além disso, esta cadeia de valor permite que os artesãos saibam o destino exato do seu ouro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pode o luxo ser sustentável? Joias da Chopard são feitas de ouro 100% ético

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião