Com o apoio da APDC, já são 93 empresas a apoiar o desenvolvimento sustentável

O manifesto “Aproveitar a crise para lançar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável” tem 93 entidades aderentes, representando uma parte muito significativa do PSI-20 e do PIB português.

O manifesto “Aproveitar a crise para lançar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável”, promovido pelo BCSD Portugal passa agora a contar com a adesão de mais 29 empresas signatárias e da APDC – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações. Desta forma, são já 93 as entidades aderentes, representando uma parte muito significativa do PSI-20 e do PIB português. Deste novo grupo de subscritores, 19 são empresas associadas da APDC e 10 do BCSD Portugal.

“Este manifesto nasceu da ideia transversal de que o momento em curso constitui uma oportunidade de mudança e que, nunca, como agora, o nosso futuro dependeu tanto da nossa capacidade como Sociedade de passar das palavras aos atos na transformação do nosso modelo de desenvolvimento”, sublinha o BCSD Portugal em comunicado. Na visão do seu secretário-geral, João Wengorovius Meneses, “porque as crises constituem oportunidades ímpares para repensarmos o nosso futuro, este é o momento para lançar novas bases para um crescimento mais inclusivo, sustentável e, de um modo geral, para construir um novo modelo de partilha de valor com a sociedade e as futuras gerações”.

As 93 empresas signatárias do manifesto declaram ter a ambição de contribuir para a construção de um modelo de desenvolvimento baseado em cinco princípios fundamentais: promoção do desenvolvimento sustentável e inclusivo, promoção do crescimento, busca da eficiência, reforço da resiliência e reforço da cidadania corporativa.

Novos signatários membros do BCSD Portugal:

  • Bondalti, João de Mello, Presidente do Conselho de Administração
  • Cortadoria Nacional, Nuno Oliveira Figueiredo, Presidente e CEO
  • Fidelidade – Companhia de Seguros, S.A., Jorge Magalhães Correia, Presidente do Conselho de
    Administração e CEO
  • GROSVENOR Investments, Duarte Costa, CEO
  • Grupo Mota-Engil, Gonçalo Moura Martins, CEO
  • Oney Bank – Sucursal em Portugal, Christophe de Pompignan, Diretor Geral
  • Secil, Otmar Hübscher, Presidente da Comissão Executiva
  • SIMAS de Oeiras e da Amadora, Isaltino Morais, Presidente do Conselho de Administração
  • SOFID, António Rebelo de Sousa, Presidente do Conselho de Administração
  • Schneider Electric Portugal, João Rodrigues, Diretor Geral/ Country Manager

Novos signatários membros da APDC:

  • .PT, Luisa Ribeiro Lopes, Presidente
  • Aon Portugal, Pedro Penalva, CEO
  • BOLD by Devoteam, Bruno Mota, CEO
  • CMAS – Systems Consultants, Carlos Santana, CEO
  • Compta, Alberto Jorge Ferreira, CEO
  • DXC Technology, Manuel Maria Correia, General Manager
  • Experis, Pedro Amorim, Managing Director
  • Fibroglobal – Comunicações Electrónicas, S.A., Graça Galvão, Diretora Executiva
  • IMPRESA SGPS, SA, António Torres Pereira, Diretor de Património, Risco e Sustentabilidade
  • Indra | Minsait Portugal, Vicente Huertas Pardo, Director Geral
  • INESC – Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, José Tribolet, Presidente do Conselho de
    Diretores
  • InnoWave Technologies, Tiago Mendes Gonçalves, CEO
  • JOYN Group – Infosistema, Gonçalo Caeiro, Chairman
  • Konica Minolta Business Solutions Portugal, Vasco Falcão, Diretor-Geral
  • SIBS, Madalena Cascais Tomé, CEO
  • SPARK2D Digital Experience, André Esteves de Carvalho, co-CEO
  • Unipartner, Fernando Reino da Costa, Presidente
  • VINCI Energies Portugal, Pedro Afonso, CEO
  • Winprovit – Soluções Inteligentes, David Lopes, Diretor Financeiro

São signatárias iniciais:

  • 3DWays, Francisco Moreira Tenente, Managing Partner
  • Accenture Consultores de Gestão, Pedro Galhardas, Vice-Presidente
  • Abreu Advogados, Duarte de Athayde, Managing Partner
  • A Planet, Joana Paredes Alves, Director of Global Business Development
  • Grupo Ageas Portugal, Steven Braekeveldt, CEO
  • ANA – Aeroportos de Portugal, Thierry Ligonnière, CEO
  • APCER, José Leitão, CEO
  • Ascendi, Luís Silva Santos, Presidente do Conselho de Administração
  • Altri, SGPS, S.A., Paulo Fernandes, Presidente Conselho Administração
  • Ambiosfera, Nuno Carvalho, Diretor Geral
  • Avenue, Aniceto Viegas, General Manager
  • BA Glass , Sandra Santos, CEO
  • Banco Carregosa, Francisco Oliveira Fernandes, Presidente da Comissão Executiva
  • Banco Santander Portugal, Pedro Castro e Almeida,C EO
  • Brisa, Vasco de Mello, Presidente do Conselho de Administração
  • BSD Consulting, Francisco Neves, Managing Director
  • Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, Licínio Pina, Presidente do Conselho de Administração Executivo
  • Carglass Portugal, Jorge Muñoz Cardoso, Director Geral
  • Cimpor, Luís Fernandes, CEO
  • Águas do Porto, Frederico Fernandes, Presidente do Conselho de Administração
  • Consulai, Pedro Santos, Director Geral
  • Corticeira Amorim, Cristina Amorim, CFO
  • CTT, João Bento, CEO
  • Deloitte Consultores, António Lagartixo, CEO
  • EDP, António Mexia, CEO
  • EDIA, José Pedro Salema, Presidente do Conselho de Administração
  • EY Portugal, João Alves, Presidente do Conselho de Administração
  • Efacec, Ângelo Ramalho, CEO
  • Euronext Lisbon, Isabel Ucha, CEO
  • Everis Portugal, António Brandão de Vasconcelos, Chairman
  • Finerg, Pedro Norton, CEO
  • Fujitsu Portugal, Carlos Barros, Diretor Geral
  • Galp, Carlos Gomes da Silva, CEO
  • Jerónimo Martins SGPS, S.A., Pedro Soares dos Santos, Presidente e Administrador-Delegado
  • José de Mello Saúde, Salvador de Mello, Presidente do Conselho de Administração
  • KPMG, Sikander Sattar, Presidente do Conselho de Administração
  • LIPOR, Aires Pereira, Presidente do Conselho de Administração Executivo
  • Mendes Gonçalves, Carlos Gonçalves, CEO
  • Metropolitando de Lisboa, E.P.E , Vitor Domingues dos Santos, Presidente do Concelho de Administração
  • Millennium bcp, Miguel Maya, CEO
  • NOS, Miguel Almeida, Presidente Executivo
  • PLMJ, Luís Pais Antunes, Managing Partner
  • PRIO, Emanuel Proença, Administrador
  • PwC, António Brochado Correia, Territory Senior Partner
  • PT Portugal, Luís Filipe Alveirinho, Chief Technology Officer
  • REN, Margarida Ferreirinha, Diretora para as áreas da Comunicação e Sustentabilidade
  • Repsol Portuguesa, Armando Augusto Oliveira, Administrador Delegado
  • Resíduos do Nordeste EIM S.A., Hernâni Dias, Presidente do Conselho de Administração
  • S317 Consulting, Filipe Vasconcelos, Managing Partner
  • Sair da Casca, Nathalie Ballan, Partner
  • Signium, Felipa Xara-Brasil, Administradora
  • Sogrape, Fernando da Cunha Guedes, Presidente do Conselho de Administração
  • Soja de Portugal, António Isidoro​, Presidente do Conselho de Administração
  • Solvay Portugal – Produtos Químicos, S.A., Jorge Oliveira, Presidente do Conselho de Administração
  • Sonae, Isabel Barros, Membro do Conselho de Administração
  • SUMOL+COMPAL, Júlio Gomes, Assessor da Administração
  • SustainAzores, Joana Borges Coutinho, CEO
  • Super Bock Group, Rui Lopes Ferreira, Presidente da Comissão Executiva
  • Tabaqueira, Miguel Matos, Diretor Geral
  • Tecnoplano, Bernardo Pinho, Presidente do Conselho de Administração
  • The Navigator Company, João Castello-Branco, Presidente do Conselho de Administração
  • Tintex Textiles, Mário Jorge Silva, CEO
  • Trivalor, Sofia Crisóstomo Silva, Presidente do Conselho Geral e de Supervisão
  • VdA, João Vieira de Almeida, Managing Partner

O BCSD Portugal é uma associação que congrega cerca de 100 empresas portuguesas, que no seu conjunto representam uma fatia importante do PIB nacional, sendo a sua missão apoiá-las na jornada para a sustentabilidade, através do desenvolvimento de soluções sustentáveis, capazes de responder aos desafios das suas cadeias de valor e, desse modo, contribuir para um modelo de desenvolvimento sustentável, em Portugal e no mundo.

Desenvolve a sua atividade nos domínios da neutralidade carbónica, da biodiversidade, da cadeia de valor, da economia circular, das finanças sustentáveis e das cidades sustentáveis. Integra a rede mundial do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), a maior organização internacional empresarial a trabalhar a área do desenvolvimento sustentável, com mais de 200 empresas associadas em diferentes países e 68 organizações independentes nos cinco continentes, que em conjunto representam cerca de 10% do PIB mundial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com o apoio da APDC, já são 93 empresas a apoiar o desenvolvimento sustentável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião