Banca pesa em Wall Street com corte nos dividendos. Wall Street cede 1%

As bolsas norte-americanas estão a cair, com os investidores a reagirem negativamente à decisão da Fed de limitar os dividendos do setor bancário. Ações das financeiras chegam a perder 4%.

Os investidores têm apontado para a Fed para explicar os recordes nas bolsas em tempos de crise severa. Porém, desta vez, Jerome Powell não está a dar ganhos aos investidores. Os principais índices chegam a cair 1% com a decisão do supervisor de limitar os dividendos da banca, depois de a sessão anterior ter sido fortemente marcada pela volatilidade.

Os índices também recuam perante mais um dia de recordes no registo de novos casos de coronavírus nos EUA. O S&P 500 recua 0,56%, enquanto o industrial Dow Jones desvaloriza cerca de 1%. O tecnológico Nasdaq perde 0,50% e o índice Vix, que mede a volatilidade no índice de referência com base nas opções put e call, sobe 0,56 pontos.

Os bancos pesam em Wall Street, eliminando os ganhos expressivos que tinham sido registados na sessão de quinta-feira, quando um regulador decidiu cortar as provisões que os bancos precisam de constituir para fazerem face a eventuais perdas resultantes da negociação de swaps, um instrumento financeiro complexo.

Mas o rally da banca esta quinta-feira foi sol de pouca dura. Já depois do fecho dos mercados, a Fed anunciou um limite ao pagamento de dividendos pela banca e suspendeu as recompras de ações durante o terceiro trimestre. A notícia não deixou os investidores satisfeitos: as ações do Bank of America estão a cair 3,72%, enquanto o Wells Fargo cede 4,35%. O JPMorgan desvaloriza 3,39%.

Há outros fatores a condicionarem as negociações. Desde logo, o estado do mercado laboral: quase 1,5 milhões de cidadãos pediram subsídio de desemprego nos EUA na última semana, um número acima das estimativas dos analistas e historicamente alto pela 14.ª vez consecutiva. Além disso, o coronavírus continua a ganhar terreno no país, com o Texas a suspender abruptamente os planos de reabertura e o número diário de novos casos a atingir um novo recorde: 40.000 novos doentes somente na quinta-feira, segundo um balanço da Universidade de Johns Hopkins.

Perante este cenário, o Facebook cai 3,74% em bolsa, enquanto a Apple desvaloriza 0,72%. O grupo Alibaba cede 2,39% e, em sentido inverso, a travar as quedas em Wall Street, está a concorrente Amazon. O grupo fundado por Jeff Bezos apresenta ganhos modestos de 0,17%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca pesa em Wall Street com corte nos dividendos. Wall Street cede 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião