Cotadas do PSI-20 com apenas oito mulheres na Comissão Executiva

  • Lusa
  • 28 Junho 2020

No ano anterior, o número de mulheres na Comissão Executiva das empresas cotadas era seis pelo que o número atual representa uma subida.

Apenas oito mulheres têm cargos na Comissão Executiva no universo das empresas cotadas em Portugal, o PSI20, de acordo com o índice Leading Together, disse à Lusa a fundadora Catarina Soares, o que corresponde a 10,5%.

A Leading Together, criada em Portugal em 2019, é uma iniciativa da Associação de Alumni do INSEAD, que conta com McKinsey, Nova SBE e Euronext enquanto parceiros e tem como objetivo a promoção de lideranças equilibradas em termos de género nas posições de topo das empresas.

“O índice Leading Together lista todas as empresas cotadas do PSI20, com base na representação feminina e masculina em posições de liderança em cada uma das empresas”, explicou a membro da direção da alumni do INSEAD.

“Em todas as empresas do PSI20 [são 18] só há oito administradores executivos que são mulheres, representa 10,5%” do total [em 76 administradores executivos], acrescentou a responsável. Estas oito administradoras executivas estão distribuídas em seis empresas: Sonae, Sonae Capital, Galp, NOS, EDP e BCP.

Catarina Soares referiu que, apesar destes dados serem públicos, “não são muito conhecidos”, daí que se tenha avançado para a construção desde índice, para que haja uma perceção da situação atual.

Já no caso do Conselho de Administração das 18 empresas cotadas no índice principal da bolsa portuguesa, “este ano passamos de 21% para 26%” de mulheres neste órgão, tratando-se “de uma melhoria”, referiu, mas ainda longe do equilíbrio. “A situação de desequilíbrio e falta de diversidade na liderança não é só o caso de Portugal“, salientou a responsável.

A iniciativa Leading Together tem três objetivos: a tomada de consciência da situação atual, a partilha das melhores práticas e dos benefícios de uma liderança mais equilibrada no topo, nomeadamente a nível de género, e que sejam celebrados os casos de sucesso, explicou a fundadora.

Depois do primeiro evento no ano passado, o Leading Together realiza na próxima terça-feira, o ‘zoom webinar’, onde será divulgado o índice e também será atribuído um prémio “à empresa mais bem classificada”, o qual se traduz em dois cursos para executivos da cotada vencedora – o INSEAD Gender Diversity Programme -, que tem como objetivo ajudar as organizações a fazer um diagnóstico do equilíbrio de género e dá instrumentos de gestão para melhorar.

Portugal ainda tem muito a progredir, mas já se nota que está a fazer esse caminho, não é culpa de ninguém, não há uma razão absoluta, o que a academia identifica é que há uma rede sistémica, tem a ver com fatores culturais, com o histórico das empresas, com o modelo de liderança e com o preconceito inconsciente, que é o tema da nossa conferência este ano”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cotadas do PSI-20 com apenas oito mulheres na Comissão Executiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião