Isabel dos Santos diz que lhe foi negada justiça nos tribunais de Angola e de Portugal

A empresária angolana refere que tribunais angolanos rejeitaram os embargos e os incidentes de falsidade apresentados pelos seus advogados dentro dos prazos legais.

“É dececionante não me ser permitida uma audiência em tribunal para poder provar a minha inocência e estabelecer a verdade. Foi-me negada justiça nos tribunais de Angola e de Portugal”, reclama Isabel dos Santos, dizendo-se impedida “ilegalmente” de se defender do processo de arresto dos seus bens decretado pelo Tribunal Provincial de Luanda no final do ano passado.

Em comunicado, a empresária angolana diz que os tribunais rejeitaram “ilegitimamente” o embargo apresentado “dentro do prazo legal” pelos seus advogados, negando a realização de uma audiência “para as partes serem ouvidas e apresentarem as suas provas e recusando-se mesmo a reconhecer a existência de provas obviamente falsas usadas pelo procurador angolano para justificar o arresto”, incluindo um passaporte com a assinatura de Bruce Lee.

Segundo Isabel dos Santos, a juíza Henrizilda do Nascimento considerou que o embargo foi apresentado já fora do prazo, pois os “visados dever-se-iam sentir citados judicialmente não por uma notificação do tribunal, como em qualquer sistema judicial democrático, mas sim por meramente lerem as notícias na imprensa”.

O comunicado da empresária angolana fala em manipulação das datas e dos prazos deste processo “para garantir que as provas falsas não fossem expostas”.

“O arresto preventivo de 23 de dezembro de 2019 ocorreu sem audiência da parte de Isabel dos Santos, que foi notificada pelo tribunal no dia 15 de abril de 2020, data em que teve também acesso ao processo e aos elementos de prova utilizados e apresentou o seu embargo no prazo de oito dias, conforme estabelecido na lei”, refere o comunicado.

Isabel dos Santos volta a dizer que as acusações contra ela “não têm substância e baseiam-se em provas falsas e numa série de e-mails fabricados”. “Os tribunais angolanos deturparam os factos, manipularam o processo judicial e as autoridades portuguesas parecem prontas e dispostas a aceitar estas mentiras sem qualquer averiguação independente“, refere.

Entre as várias empresas e participações de Isabel dos Santos que foram arrestadas estão a portuguesa Efacec, as posições no EuroBic e na Nos, e ainda várias empresas angolanas como a Unitel, Banco BFA, Banco BIC, Hipermercados Candando.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Isabel dos Santos diz que lhe foi negada justiça nos tribunais de Angola e de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião