Lidl vai ter rede com 41 postos de carregamento elétrico até 2021. Investe um milhão de euros

A futura rede terá carregadores multi-standard e de carregamento rápido, possibilitando uma carregar 80% da bateria em apenas 30 minutos, ou seja, o tempo médio de uma ida regular às compras.

O Lidl anunciou esta terça-feira em comunicado o investimento de um milhão de euros na instalação de uma rede de 38 postos de carregamento para carros elétricos, que estarão prontos para serem utilizados nas suas lojas até fevereiro de 2021. De acordo com a empresa, a localização destes novos postos foi planeada de forma estratégica para permitir aos utilizadores viajarem de norte a sul do país, já que os carregadores estarão localizados de forma a garantir a autonomia necessária entre todos estes locais de carregamento elétrico.

Financiado através de capitais próprios, este projeto surge no âmbito das políticas de sustentabilidade que o Lidl tem vindo a implementar e com o objetivo de “promover a mobilidade de baixo impacto ambiental, envolvendo diversos agentes institucionais e também as famílias na redução da pegada de carbono”.

A futura rede terá carregadores multi-standard e de carregamento rápido, possibilitando uma carregar 80% da bateria em apenas 30 minutos, ou seja, o tempo médio de uma ida regular às compras. “Desta forma, as preocupações ambientais da insígnia, aliam-se a um reforço da conveniência oferecida aos seus clientes, melhorando ainda mais a sua experiência de compra ao aliar a sustentabilidade à poupança de tempo”, refere o Lidl em comunicado.

No contexto do compromisso assumido com as iniciativas da Lisboa Capital Verde 2020, Lisboa foi o local escolhido para o arranque da construção desta rede, seguindo-se, numa segunda fase, mais 13 postos de carregamento nas lojas do Alentejo e Algarve, fazendo a ligação ao sul e a Espanha. O norte e centro do país será também contemplado com 20 postos de carregamento.

Desde 2016 o Lidl já tem três lojas com este sistema de carregamento elétrico: Cascais-Abóboda, Loures-Sacavém e Matosinhos-S. Mamede de Infesta. Desta forma, até fevereiro de 2021, terá um total de 41 postos de carregamento nas suas lojas. “O Lidl optou pela instalação de postos de carregamentos elétricos, contribuindo para uma mobilidade mais amiga do ambiente, num momento em que o país tem vindo a reforçar o seu empenho para atingir a neutralidade carbónica até 2050”, rematou o memo comunicado.

Além deste, o Lidl tem assumido vários compromissos sustentáveis: “Reduzir o consumo de plástico nas embalagens de marca própria em 20% até 2025 e integrar o máximo de plástico reciclável em 100% dessas embalagens; descontinuou a venda de plásticos descartáveis, evitando a entrada no sistema de 12,5 milhões de copos e de 5 milhões de pratos anualmente; aboliu a venda de sacos de plástico para transporte de compras em todas as lojas a nível nacional – menos 25 milhões de sacos de plástico por ano”, acrescentou ainda o Lidl em comunicado, sublinhando também a “política de compra e venda de pescado sustentável, que tem como objetivo privilegiar a pesca e aquicultura sustentável” e o “cultivo sustentável de café, chá e cacau” em colaboração com a Fairtrade, Rainforest Alliance, Bio e UTZ, que asseguram aos consumidores que os produtos respeitam as melhores práticas de comércio justo e respeito pelo ambiente.

Até ao final de 2020, o Lidl traçou ainda a meta de transitar todos os produtos de marca própria, inclusivamente as respetivas embalagens e etiquetas compostas por celulose, para material reciclado ou para fibras virgens certificadas, para apoiar o uso mais responsável da celulose e proteger as florestas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lidl vai ter rede com 41 postos de carregamento elétrico até 2021. Investe um milhão de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião