Revista de imprensa internacional

  • ECO
  • 30 Junho 2020

Economia espanhola entrou em colapso com uma taxa histórica de 5,2% enquanto a economia britânica apresenta a maior queda em 40 anos. Google ameaça cortar receitas de publicidade a publishers.

A pandemia de Covid-19 continua a marcar a atualidade internacional. Em Espanha, a economia entrou em colapso com uma taxa histórica de 5,2% a par da economia britânica que apresenta a maior queda em 40 anos. Algumas empresas de media norte-americanas têm pressionado a Google a deixar de recolher dados sobre os seus leitores. Mas a empresa estará a retaliar com a ameaça de travar o fluxo de receitas de publicidade a estes meios. A Cepsa comprou 40% de dois fabricantes de asfalto em Marrocos, numa altura em que Pequim aprova lei da segurança nacional em Hong Hong.

Cinco Días

Economia espanhola entrou em colapso com uma taxa histórica de 5,2%

O Instituto Nacional de Estatística (INE) confirmou na terça-feira que a economia espanhola entrou em colapso em 5,2% no primeiro trimestre do ano, em comparação com o período homólogo. Este declínio foi o resultado de uma queda no consumo doméstico (6,6%), no investimento empresarial (8%) e na habitação (5,9%), bem como do colapso das exportações (8,2%) e das importações (6,6%). O PIB espanhol contraiu 4,1% no primeiro trimestre, contra um aumento de 1,8% no trimestre anterior. Este foi o maior declínio desde o segundo trimestre de 2009, quando a economia espanhola contraiu 4,4% numa base anual.

Leia a notícia completa no Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Reuters

Economia britânica apresenta a maior queda em 40 anos

A economia britânica sofreu a maior contração desde 1979 no início de 2020. O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 2,2% em cadeia entre janeiro e março, informou o Gabinete de Estatísticas Nacionais (ONS). A economia britânica poderá ter contraído 20% na primeira metade de 2020, disse o Banco de Inglaterra no início deste mês, afirmando que a quebra na economia este ano poderá ser a pior em três séculos. O primeiro-ministro Boris Johnson vai apresentar o seu plano para acelerar a recuperação da economia britânica, quando promete acelerar o investimento de cinco mil milhões de libras (5,47 mil milhões de euros) em infraestruturas.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Post

Google ameaça cortar receitas de publicidade a publishers

Algumas empresas de media norte-americanas têm pressionado a Google a deixar de recolher dados sobre os seus leitores. Mas a empresa estará a retaliar com a ameaça de travar o fluxo de receitas de publicidade a estes meios. As negociações estão em curso, mas a Google está em vantagem por deter uma “fatia” dominante do mercado de publicidade digital, em conjunto com o Facebook. Os publishers de conteúdos argumentam que, ao ter acesso a dados sobre o comportamento e preferências dos seus leitores, a Google mantém uma vantagem concorrencial no mercado dos banners digitais.

Leia a notícia completa no Financial Post (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Guardian

Pequim aprova lei da segurança nacional em Hong Hong

O Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional da China ratificou esta terça-feira a controversa lei de segurança de Hong Kong e penas de prisão perpétua estão ainda em cima da mesa, informaram os media da cidade chinesa. Fontes citadas pelo South China Morning Post (SCMP) e pela emissora pública RTHK informaram que a lei foi ratificada esta manhã durante a reunião do Comité Permanente, com a legislação a poder entrar em vigor na quarta-feira, 01 de julho, data em que se assinala a transferência do território da soberania britânica para a chinesa, que ocorreu em 1997.

Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

Noticias Diarios

Cepsa compra 40% de dois fabricantes de asfalto em Marrocos

A Cepsa chegou a um acordo com o grupo marroquino Majdaline Holding para promover conjuntamente o negócio do asfalto no país e explorar sinergias a médio e longo prazo. A companhia espanhola adquiriu à Majdaline uma participação de 40% nas empresas Sorexi e Bitulife, líderes na produção e distribuição de asfaltos e revestimentos asfálticos para o setor da construção de estradas e edifícios em território marroquino. A Cepsa procura consolidar a sua posição como um dos principais atores energéticos em Marrocos, onde opera há 30 anos.

Leia a notícia completa no Noticias Diarios (acesso livre, conteúdo em espanhol).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião