Incentivo ao abate “não pode ser limitado à compra de elétricos”. ACAP espera “evolução” da posição do Governo

Matos Fernandes admitiu um regresso do incentivo ao abate, mas defende que este só deve ser para a compra de carros elétricos. A ACAP diz que o ministro "está a defender a proposta da Zero".

O incentivo ao abate de veículos pode voltar já no próximo ano. Foi Matos Fernandes que abriu a porta ao regresso deste apoio, embora não nos mesmos moldes que existiram no passado: será destinado apenas à compra de carros elétricos. Se por um lado a ACAP se congratula com o reconhecimento desta necessidade, por outro deixa duras críticas ao modelo defendido pelo ministro do Ambiente. “Está a defender a proposta da Zero, mas como pessoa inteligente que é, irá certamente evoluir na sua posição”, diz Hélder Pedro ao ECO/Capital Verde.

“É importante que, pela primeira vez, um membro deste Governo fale da necessidade de se implementar um plano de incentivo ao abate de veículos em fim de vida reconhecendo a importância de, para se avançar com a descarbonização, ser necessário renovar o parque automóvel envelhecido que temos em Portugal”, diz o secretário-geral da ACAP em resposta às questões colocadas pelo ECO. “É importante referir que mais de um milhão de carros que estão em circulação tem mais de 20 anos“, diz.

"Se o Governo pretende, realmente, renovar o nosso parque automóvel no sentido da descarbonização, esse plano terá de incluir os veículos com motor de combustão, como fizeram os governos espanhol ou francês.”

Hélder Pedro

Secretário-geral da ACAP

Contudo, “é óbvio, neste momento, que um plano de incentivo à renovação do parque automóvel não pode ser limitado à compra de veículos elétricos, atira. “O Sr. Ministro está a defender a proposta da Zero, mas como pessoa inteligente que é irá certamente evoluir na sua posição, tal como aconteceu com a sua congénere espanhola, a Ministra da Transição Ecológica. O Governo espanhol aprovou em Conselho de Ministros, por unanimidade, o plano de incentivo ao abate que prevê a compra de veículos a gasolina ou gasóleo (matriculados em 2020), para além de veículos elétricos e híbridos plug-in, recorda.

Descarbonizar? Incentivo ao abate tem de chegar à gasolina e diesel

Tendo por base o modelo espanhol, a ACAP fez cálculos. E diz que o incentivo ao abate de veículos com uma emissão média de 170 gramas de CO2, substituindo-os por veículos novos, com emissão média de 95 gramas de CO2. “Este ponto é que é fundamental num plano de incentivo ao abate de veículos em fim de vida”, diz, atacando a diferenciação que o Governo português pretende fazer no regresso deste apoio.

“Este plano de incentivo, nos moldes dos planos espanhol e francês, e que permita a compra de veículos novos a gasolina ou diesel com baixas emissões, permitiria uma poupança energética de 3,2 milhões de litros de combustível por ano, ou seja o equivalente a 33.200 barris de petróleo”, estima Hélder Pedro. “Por outro lado, iria levar a uma emissão de menos 10.800 toneladas de CO2/ ano”.

O Sr. Ministro está a defender a proposta da Zero, mas como pessoa inteligente que é irá certamente evoluir na sua posição, tal como aconteceu com a sua congénere espanhola, a Ministra da Transição Ecológica.

Hélder Pedro

Secretário-geral da ACAP

“São este os indicadores que foram tidos em conta pela Ministra da Transição Ecológica de Espanha e por todo o Governo Espanhol e que, repito, o Governo português não deixará de avaliar no momento próprio”, remata. “Se o Governo pretende, realmente, renovar o nosso parque automóvel no sentido da descarbonização, esse plano terá de incluir os veículos com motor de combustão, como fizeram os governos espanhol ou francês. Estamos certos que o Governo irá evoluir na sua posição. Se não for assim, será apenas por questões meramente ideológicas o que, estamos em crer, não irá acontecer”.

Governo é insensível à crise vivida pelo setor automóvel

Além das duras críticas à forma como o Executivo pretende fazer regressar o incentivo ao abate de veículos, Hélder Pedro ataca também toda a postura do Governo português perante a crise que a pandemia do novo coronavírus está a provocar no setor automóvel.

“Em maio, o mercado automóvel em Portugal teve a segunda maior queda da União Europeia”, sendo que o Executivo liderado por António Costa, “ao contrário dos governos de Espanha, França, Alemanha, Itália, Grécia ou Roménia tem sido completamente insensível à grave crise do setor automóvel em Portugal, em consequência da Covid-19“.

“É agora que se torna necessário um incentivo à procura, porque muitas empresas do setor podem nem sequer chegar a 2021, com todos os custos sociais que tal implica”, atira o secretário-geral da ACAP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incentivo ao abate “não pode ser limitado à compra de elétricos”. ACAP espera “evolução” da posição do Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião