Governo deu até quinta-feira à Azul para aceitar condições do acordo. Senão avança com nacionalização da TAP

O decreto de nacionalização da TAP está pronto e pode ser votado no Conselho de Ministros de quinta-feira. Azul tem até amanhã para responder a proposta do Governo.

As negociações não fracassaram. Ainda. O Governo deu até amanhã à companhia aérea Azul para aceitar as condições definidas — a transportadora brasileira não transformar o empréstimo obrigacionista de 90 milhões de euros em capital. Fonte governamental avançou ao ECO que se a Azul não aceitar até amanhã esta condição, então o Executivo avançará com a nacionalização da TAP, podendo levar o despacho ao Conselho de Ministros desta quinta-feira.

Como o ECO revelou esta manhã, já há um modelo de estrutura de capital para a nova TAP, com o Estado a aumentar a sua participação para 70%, 25% para a Humberto Pedrosa e 5% para os trabalhadores. E David Neeleman fora da TAP. Mas está em curso, em simultâneo, a preparação do decreto de nacionalização, para levar a Conselho de Ministros já amanhã caso não haja um acordo final. O Expresso avançou, depois, que as negociações tinham fracassado, mas o ECO confirmou junto de uma fonte governamental que até ao dia de Conselho de Ministros ainda aguardam por uma resposta da Azul. “Se a Azul ainda recuar até lá ainda se pode fazer acordo”, disse fonte governamental ao ECO.

O Jornal de Negócios avançou também que David Neeleman terá aceite receber 55 milhões de euros para sair da TAP e que o acordo ainda depende da Azul. A transportadora brasileira fundada pelo empresário americano tem de aceitar não converter o empréstimo obrigacionista em capital.

As negociações entre o Estado e David Neeleman, um dos donos da Atlantic Gateway, empresa que detém 45% do capital da TAP, têm estado a ser feitas em contra-relógio, procurando um entendimento. Neeleman não queria aceitar as condições do Executivo para o empréstimo de 1.200 milhões de euros, mas agora o acordo só estará preso pelo tema das obrigações. O Expresso também admitia que o Governo mantém a porta aberta a uma solução negociada caso haja recuo de última hora, que possa evitar esse cenário.

Recorde-se que António Costa disse esperar uma solução para a TAP durante esta quarta-feira. “Se tivesse de apostar diria que hoje será o dia da solução da TAP, negociada com os nossos sócios privados e não com imposição do Estado. Se for necessário cá estaremos para isso, mas espero que não seja necessário”, disse Costa

(Notícia atualizada às 15h45 com mais informação)

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo deu até quinta-feira à Azul para aceitar condições do acordo. Senão avança com nacionalização da TAP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião