Humberto Pedrosa. Quem é o homem que pode travar a nacionalização da TAP?

Ainda em abril, quando a urgência de apoio não era tão premente, defendia que a nacionalização da TAP “seria dar um passo atrás”. Agora, o empresário poderá ser a chave para evitar essa solução.

Os acionistas da TAP não se entendem. Os privados não querem aceitar as condições do Estado para a injeção de 1,2 mil milhões de euros de apoio público e o Governo já admitiu que a nacionalização da empresa é o cenário em cima da mesa. Mas há uma pessoa que pode evitar este resultado: o empresário Humberto Pedrosa.

Em outubro de 1947, nasceu em Mafra, numa família ligada ao setor dos transportes da qual viria a herdar a empresa de autocarros Joaquim Jerónimo. O empresário foi responsável pelo crescimento do grupo — que se transformou na atual Barraqueiro — através da aquisição de outras empresas do setor, incluindo a Rodoviária Nacional, que estava, nos anos 90, em processo de reprivatização. Ao longo dos anos, juntou a ferrovia e o metropolitano aos negócios e internacionalizou-se para o Brasil e Angola.

Foi assim que Pedrosa chegou a 2015: como presidente e principal acionista da Barraqueiro e um dos maiores empresários do setor. A quem detém autocarros, comboios e metros, o que é falta? Aviões. Nesse ano, viria a juntar também esse meio de transporte aos ativos que já detinha.

A 13 de novembro de 2014, foi relançada a privatização da TAP (após o Governo ter rejeitado em 2012 uma proposta de Germán Efromovich) e tanto Humberto Pedrosa como David Neeleman se posicionaram como potenciais compradores. O português juntou-se inicialmente a Miguel Pais do Amaral, mas acabaria por não avançar com uma proposta vinculativa.

Falhada essa parceria, surgiu então associado a um outro candidato: o empresário brasileiro, com 30 anos de experiência na aviação, que presidia à companhia brasileira Azul. A 11 de junho de 2015, o Governo anunciava que o negócio estava fechado. O consórcio Gateway, constituído pelos dois empresários Humberto Pedrosa e David Neeleman, tinha oferecido dez milhões de euros por 61% do capital da TAP.

Apesar de Neeleman ser o rosto do consórcio, este é formalmente liderado por Pedrosa, que foi a chave para que a Concorrência não levantasse problemas ao controlo brasileiro da companhia aérea portuguesa. Ainda assim, em agosto de 2016, a Autoridade da Concorrência (AdC) aprovou a operação, mas obrigou a que o Estado detivesse mais de 50% do capital da TAP. A Atlantic Gateway ficaria então com 45%, enquanto os restantes 5% ficariam nas mãos de trabalhadores.

Os novos donos comprometiam-se com o reforço da capacidade económico-financeira da empresa, cujos prejuízos tinham agravado sucessivamente até 156 milhões de euros, no ano em que se deu o início do negócio. Desde então, só 2017 foi uma exceção. Na altura, Pedrosa dizia esperar que a TAP tivesse dado a volta aos problemas financeiros, mas temia o impacto das greves.

Não poderia prever que o maior problema da companhia viria a ser uma pandemia global. Com a grande maioria dos trabalhadores em lay-off e a frota praticamente parada durante o confinamento, os problemas financeiros vieram agravar a situação de falência técnica que a empresa vive há uma década.

Ainda em abril, quando a urgência de apoio não era tão premente, Humberto Pedrosa defendia que a nacionalização da TAP “seria dar um passo atrás”, já que considera que “o contributo dos acionistas privados na TAP tem sido muito positivo, sobretudo na modernização da empresa e na renovação da sua frota de aviões”.

Agora, poderá ser a chave para evitar essa solução. A alternativa à nacionalização poderá passar por garantir que David Neeleman deixará de ser acionista da companhia aérea, vendendo a sua posição precisamente a Humberto Pedrosa. “Se Neeleman vender, terá a possibilidade de encaixar já cerca de 45 milhões de euros em vez de esperar por uma decisão do tribunal [arbitral] para saber se poder recuperar ou não os 217 milhões de euros de prestações acessórias que a Atlantic Gateway pôs na TAP”, disse ao ECO uma fonte que conhece as negociações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Humberto Pedrosa. Quem é o homem que pode travar a nacionalização da TAP?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião