Proteção civil alerta para risco de incêndio devido a trovoada seca

  • Lusa
  • 11 Julho 2020

A Proteção Civil alertou este sábado para o risco de incêndio rural associado à ocorrência de aguaceiros e trovoada seca prevista com maior probabilidade no interior Norte e Centro e Alto Alentejo.

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) alertou este sábado para o risco de incêndio rural associado à ocorrência de aguaceiros e trovoada seca prevista com maior probabilidade nas regiões do interior Norte e Centro e Alto Alentejo.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a ANEPC frisa que as previsões meteorológicas para a partir desta tarde e até domingo podem fazer “aumentar as condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais em especial nas regiões do Sul e do interior Centro e Norte”.

“Prevê-se a partir da tarde de hoje [sábado] e o dia de amanhã [domingo] um agravamento da instabilidade atmosférica, apresentando condições de instabilidade em todo o Portugal Continental, com exceção do Algarve, com maior probabilidade nas regiões do interior Norte e Centro e Alto Alentejo, com possibilidade de ocorrência de aguaceiros e trovoada seca”, refere a nota baseada em informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Tendo em conta estas previsões, a ANEPC recorda medidas preventivas como a proibição de fazer queimadas sem autorização, bem como a proibição de utilização de fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural salvo se, usados fora das zonas críticas e nos locais devidamente autorizados, para o efeito.

“[É proibido] fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais e lançar balões de mecha acesa”, sublinha a proteção civil, recordando que foguetes e uso de fogo-de-artifício só é permitido com autorização da câmara municipal.

A ANEPC alerta que é obrigatório o uso de “dispositivos de retenção de faíscas e de tapa-chamas nos tubos de escape e chaminés das máquinas de combustão interna e externa nos veículos de transporte pesados e um ou dois extintores de seis quilos, consoante o peso máximo seja inferior ou superior a 10 toneladas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Proteção civil alerta para risco de incêndio devido a trovoada seca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião