Quer calçar a capa de um álbum de Pink Floyd? Chegaram as Stereo Socks

Depois das meias inspiradas em modelos de carros icónicos, a marca 100% portuguesa vai lançar no final do mês meias inspiradas em álbuns como Pink Floyd, Jimi Hendrix e Guns N' Roses.

A portuguesa Heel Tread começou por produzir meias inspiradas em modelos de carros icónicos. Depois, lançou uma nova marca inspirada em quadros de arte. Agora, está prestes a lançar a Stereo Socks, meias inspiradas em capas de álbuns icónicos, como The Dark Side of the Moon dos Pink Floyd, ou outros de Jimi Hendrix e até de Guns N’ Roses.

O lançamento da marca está previsto para o final de julho. Nós escolhemos não os álbuns mais importantes, mas as capas de álbum mais importantes e mais icónicas. Temos grande esperança nesta marca, sobretudo num ano atípico como este, sem festivais e sem música”, explica o cofundador Gonçalo Henriques.

Numa fase inicial serão lançados 21 modelos destas meias, mas Gonçalo Henriques adianta que já têm mais de 30 capas alinhadas. A música, aliada aos automóveis e à arte, são as grandes paixões dos fundadores, Gonçalo Henriques e João Simões.

Meias inspiradas em automóveis batem recorde de vendas na pandemia

Foi em fevereiro que Gonçalo Henriques e João Simões lançaram a nova marca de meias direcionada para os amantes de arte, a Curator Socks. Uma ideia que superou as melhor expectativas dos fundadores, mesmo em cenário de crise. “Tem sido um sucesso muito acima das nossas expectativas, lançamos em fevereiro e temos crescido imenso”, considera Gonçalo Henriques.

O fundador da marca explica ao ECO o porquê desta aposta: “A Heel Tread está focada num universo mais fechado, mais ligado a carros e aviões, aspetos mais mecânicos, e acaba por ser uma marca mais masculina. Sempre achamos que fazia todo o sentido ter uma marca inspirada noutra grande paixão nossa, que é a arte, e assim nasceu a Curator. Uma aposta em meias mais gráficas”, conta.

Desde fevereiro, a Curator Socks já vendeu 7.500 pares de meias inspiradas em quadros mediáticos, como a Medusa do pintor italiano Caravaggio; The Kiss, o quadro do pintor austríaco Gustav Klim, ou até mesmo a Grande Onda, de Kanagawa.

Apesar da aposta em novos segmentos, o fundador das marcas destaca que as meias coloridas inspiradas em carros icónicos são as mais procuradas. “As meias inspiradas em carros continuam a ser o nosso best seller“, refere. Um dos últimos negócios foi para o Japão: 40 mil pares de meias de modelos de Fórmula 1 muito antigos.

Durante a pandemia, no mês de abril e maio, a marca de meias bateu recordes em relação ao período homólogo. “Batemos recordes de vendas durante o confinamento, mesmo tendo uma quebra muito grande no retalho”. O responsável da Heel Tread acredita que, durante a pandemia, “as pessoas quiseram tornar os dias mais divertidos e isso teve um efeito positivo nas nossas vendas”, conta Gonçalo Henriques.

Apesar de todo o sucesso das marcas em tempos de crise, Gonçalo Henriques refere que a equipa teve alguns problemas logísticos na entrega das encomendas, devido ao fecho das fronteiras e paragem da aviação, mas explica que os clientes foram “compreensivos”. Conta que uma encomenda que normalmente demorava quatro dias para chegar a Inglaterra demorou seis semanas.

Os EUA, Inglaterra, Alemanha, França e Espanha (5%) são os mercados mais importantes tanto para a Heel Tread, como para a Curator. Fundada em dezembro de 2017, as meias portuguesas já calçam pés em mais de 50 países de todo o mundo, o que contabiliza mais de 500 mil pares vendidos. Para o responsável da Heel Tread, o negócio das meias coloridas “veio para ficar e não se trata de uma moda passageira”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer calçar a capa de um álbum de Pink Floyd? Chegaram as Stereo Socks

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião