Lisboa pintada de vermelho. Energia penaliza PSI-20

A bolsa de Lisboa acompanha os receios vividos nas praças europeias. Setor energético penaliza PSI-20, com as ações do grupo EDP e da REN a caírem cerca de 2%.

A bolsa de Lisboa está no “vermelho”, acompanhando a tendência vivida na Europa, dado o agudizar de tensões entre a China e os Estados Unidos. Setor energético penaliza PSI-20, com as ações do grupo EDP e da REN a caírem cerca de 2%.

Depois dos ganhos registados na sessão anterior, na Europa, o Stoxx 600 — que reúne as 600 maiores empresas do Velho Continente — desvaloriza 1,1%, enquanto o francês CAC-40 perde 1,4%, o britânico FTSE 100 recua 0,9% e o espanhol Ibex-35 cai 1,3%.

A ameaça de um aumento das tensões entre os Estados Unidos e a China contribui, assim, para o sentimento negativo das bolsas europeias. O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, classificou as reivindicações territoriais de Pequim sobre os recursos offshore no mar da China Meridional como “completamente ilegais”.

Lisboa acompanha os receios vividos na Europa, negociando abaixo da linha de água. O PSI-20 recua 1,31%, para 4.414,070 pontos, com as 18 cotadas em “terreno” negativo. Entre os “pesos-pesados”, o grupo EDP prolonga as quedas da sessão anterior, com as ações da elétrica a desvalorizarem 1,92% para 4,3429 euros, enquanto a subsidiárias EDP Renováveis cai 2,04% para 13,42 euros.

Esta terça-feira, em comunicado enviado à CMVM, a empresa revelou que decidiu antecipar o processo de encerramento das suas centrais a carvão na Península Ibérica, com Sines a ser “desligada” já em janeiro do próximo ano.

Ainda no setor energético, a REN perde 2% para 2,45 euros, enquanto a Galp Energia desvaloriza 0,90% para 10,4100 euros, acompanhando a queda das cotações do petróleo nos mercados internacionais. O preço do barril de Brent desvaloriza 1,76%, para os 41,97 dólares no mercado londrino. Já o WTI perde 1,95%, para os 39,20 dólares, no mercado de Nova Iorque.

A penalizar o índice de referência nacional está ainda a Jerónimo Martins, cujas ações caem 0,58% para 15,33 euros, bem como, os títulos da Nos, ao recuarem 1,02% para 3,5040 euros. Destaque ainda para o BCP que abriu a valorizar, mas rapidamente inverteu a tendência. As ações do banco liderado por Miguel Maya recua, 0,28% para 10,81 cêntimos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa pintada de vermelho. Energia penaliza PSI-20

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião