2,3 milhões de trabalhadores europeus em lay-off no primeiro trimestre

No primeiro trimestre de 2020, dois milhões de trabalhadores europeus foram colocados em lay-off face ao impato da pandemia de coronavírus na economia.

A pandemia de coronavírus fez tremer o mundo do trabalho. De acordo com os dados divulgados, esta quinta-feira, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), o número de trabalhadores europeus em lay-off aumentou em dois milhões, entre o último trimestre de 2019 e os primeiro três meses de 2020. No total, 2,3 milhões de europeus estiveram ausentes do trabalho, entre janeiro e março, por essa razão.

O lay-off foi uma das principais ferramentas usadas pelo Executivo português para mitigar a escalada do desemprego, tendo sido mesmo lançada uma versão simplificada desse regime para os empregadores em crise face à pandemia de coronavírus. E Portugal não ficou sozinho nessa opção. Vários outros países da União Europeia usaram o lay-off para amortecer o impacto da crise pandémica no mercado de trabalho, como o Reino Unido, Espanha, França e Alemanha.

De acordo com a OCDE, entre janeiro e março, 2,3 milhões de europeus estiveram ausentes do seu trabalho por terem sido colocados temporariamente em lay-off. No final de 2019, havia 300 mil trabalhadores nessa situação. Ou seja, registou-se um salto de dois milhões de trabalhadores, no primeiro trimestre do ano. E nos Estados Unidos, 1,8 milhões de trabalhadores estavam em lay-off, em março. De acordo com os dados divulgados recentemente pelo Ministério do Trabalho português, por cá, mais de 850 mil pessoas foram colocadas neste regime.

Os dados divulgados, esta quinta-feira, pela OCDE indicam ainda que a taxa de emprego caiu, no conjunto dos 38 países, para 68,6%, menos 0,3 pontos percentuais do que no último trimestre de 2019. Esta é a primeira queda do emprego na OCDE desde 2013 e afetou particularmente os jovens.

Entre janeiro e março, a taxa de emprego nos Estados Unidos recuou 0,1 pontos percentuais para 68,5% e, em Portugal, caiu 0,5 pontos percentuais para 70,2%, face aos últimos três meses de 2019.

Estima-se, por outro lado, que no segundo trimestre do ano a redução do emprego tenha sido ainda mais significativa. Nos Estados Unidos, por exemplo, os dados já disponíveis sinalizam uma queda de quase nove pontos percentuais, com o número de pessoas empregadas em mínimos de 1998.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

2,3 milhões de trabalhadores europeus em lay-off no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião