Subscrição das novas ações da EDP arranca dia 23. Veja as datas da operação

A EDP está no mercado com um aumento de capital de 1.020 milhões de euros para financiar a compra da Viesgo. A subscrição arranca dia 23, sendo destacados os direitos no final do dia 20.

A EDP já publicou o prospeto do aumento de capital com o qual pretende obter fundos para comprar a Viesgo. A subscrição dos novos títulos da elétrica liderada interinamente por Miguel Stilwell d’Andrade arranca dia 23, sendo que dia 20 de julho é o último em que as ações da empresa negoceiam em bolsa antes do destaque dos direitos.

Apenas um dia depois de anunciar que iria avançar com um aumento de capital de 1.020 milhões de euros para financiar a compra do negócio de energias renováveis em Espanha, a EDP avançou com o prospeto da emissão dos novos títulos. E a operação vai chegar rapidamente ao mercado, começando com o destaque dos direitos das ações.

É já na segunda-feira, 20 de julho, que os títulos da EDP negoceiam pela última vez com direitos para participar no aumento de capital. Estes direitos serão depois destacados da cotação, começando a ser negociados separadamente em bolsa a 23 de julho, embora a sua cotação acabe por depender da evolução das ações da empresa, isto porque o ativo subjacente é o mesmo. É também nesse dia 23 que arranca o período de subscrição das novas ações da elétrica portuguesa.

A negociação dos direitos vai prolongar-se até dia 3 de agosto, de acordo com o prospeto publicado em inglês na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Só três dias mais tarde chega ao fim o prazo de subscrição das novas ações, ou seja, a 6 de agosto, com os resultados da operação a serem revelados no dia seguinte.

Estas novas ações, que têm um custo de 3,30 euros, cada, serão depois admitidas à negociação na Euronext Lisboa, juntando-se aos mais de 3,6 mil milhões de títulos atualmente cotados na bolsa nacional no dia 17 de agosto, ou seja, praticamente dentro de um mês.

(Notícia atualizada às 22h37 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subscrição das novas ações da EDP arranca dia 23. Veja as datas da operação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião