“Antes da recuperação verde, é preciso uma recuperação económica rápida. Situação das empresas é dramática”

Miguel Araújo, diretor de Comunicação e Relações Institucionais do Super Bock Group, sublinhou as principais iniciativas da empresa em matéria de sustentabilidade: menos água, energia e plásticos.

O Capital Verde, do ECO, a primeira plataforma online especializada em Finanças Sustentáveis e Green Economy em Portugal, estreia em julho uma série de conversas online com os seus Parceiros Fundadores e Agentes de Mudança.

Nesta primeira edição das Capital Verde Web Talks, Miguel Araújo, diretor de Comunicação e Relações Institucionais do Super Bock Group, sublinhou as principais iniciativas da empresa em matéria de sustentabilidade sublinhando a redução do consumo de água, de energia, menos plásticos nas embalagens, mais tara retornável no canal de restauração e cafés, e mais consumo inteligente, responsável e moderado ao nível dos consumidores finais.

O responsável da empresa defende que “antes da recuperação verde, é preciso uma recuperação económica rápida” porque “a situação das empresas do setor é dramática: 40% ainda não abriram e uma boa parte delas está a faturar muito menos”, cerca de 10% do que estavam a faturar em igual período do ano passado. E apelou ao Governo para ter “um papel preponderante” com medidas que auxiliem as pequenas, as médias e as grandes empresas. Do lado do Super Bock Group, a cervejeira está 100% emprenhada num recuperação económica empenhada com princípios de sustentabilidade.

Veja o vídeo:

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Antes da recuperação verde, é preciso uma recuperação económica rápida. Situação das empresas é dramática”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião