Maya reconhece competência e independência a Centeno no Banco de Portugal

Presidente do BCP diz que é difícil não reconhecer ao antigo ministro das Finanças os atributos de competência e independência no novo cargo de governador do Banco de Portugal.

Miguel Maya, presidente do BCP e que agora vai ser supervisionado por Mário Centeno, reconhece a competência e a independência ao ex-ministro das Finanças à frente do Banco de Portugal.

“A relação com o regulador não pode ser emocional”, começou por dizer Miguel Maya na apresentação de resultados, afirmando que a questão em relação ao governador e ao supervisor deve ser outra: se é ou não competente e independente.

“É muito difícil que alguém possa deixar de reconhecer esses atributos a Mário Centeno”, referiu o presidente do BCP, quando questionado sobre se vê algum conflito de interesses no facto de o ex-ministro ter decidido, por exemplo, a venda do Novo Banco e agora vir a poder tomar decisões sobre este dossiê enquanto governador.

Miguel Maya falava na apresentação dos resultados do primeiro semestre do ano, em que o banco viu os lucros a cair 55% para 76 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Maya reconhece competência e independência a Centeno no Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião