Manuais escolares não vão ser reutilizados. São mais 1.500 toneladas de CO2 e 90 mil árvores abatidas

De acordo com a Zero, a suspensão da reutilização do livros escolares no próximo ano letivo irá implicar o abate acrescido de 92.500 árvores e o gasto de 130 milhões de litros de água.

A Zero já fez as contas ao impacto de, até setembro, todos os alunos do país receberem manuais escolares novinhos em folha. De acordo com a associação ambientalista, a suspensão da reutilização de manuais escolares no próximo ano letivo irá implicar (de forma aproximada) o abate acrescido de 92.500 árvores, correspondendo a uma área de cerca de 92 hectares, a emissão acrescida de 1500 toneladas de CO2 e o gasto acrescido de 130 milhões de litros de água.

“A decisão tomada pela Assembleia da República, no âmbito do orçamento suplementar para 2020, de impedir a reutilização de manuais escolares no
ano letivo 2020/2021, independentemente dos custos associados, é uma má decisão do ponto de vista ambiental e da sustentabilidade. A ZERO considera que esta tomada de decisão demonstra como a sustentabilidade ainda não entrou na agenda política”, referiu a associação em comunicado.

É já esta segunda-feira, 3 de agosto, que os encarregados de educação de 1,4 milhões de alunos matriculados no ensino básico e secundário (dados de 2019, da Pordata) poderão aceder à plataforma online Mega – Manuais Escolares Gratuitos para reclamar os respetivos vouchers que dão acesso aos livros para o próximo ano letivo. Primeiro serão emitidos os vouchers para os anos de continuidade de ciclo (2º, 3º, 4º, 6º, 8º, 9º, 11º e 12º anos) e só mais tarde, a 13 de agosto será dado acesso aos manuais do 1º, 5º, 7º e 10º anos.

Até aqui, tudo será mais ou menos semelhante aos anos anteriores. Além das máscaras de uso obrigatório na escola e do distanciamento social entre crianças e jovens, uma das grandes diferenças do ano letivo 2020/2021 — o primeiro pós-quarentena que obrigou alunos e professores a terminar o terceiro período à distância, e o primeiro em plena pandemia mundial de Covid-19 — passará pelo facto de os estudantes acumularem nas secretárias lá de casa não um, mas dois conjuntos completos de manuais escolares. O objetivo é que, desta forma, possam recuperar alguma da matéria que ficou por dar ou mal consolidada no ensino à distância.

Em junho ficou decidido no Orçamento Suplementar a suspensão da obrigatoriedade de devolução do manuais, princípio em que assenta o programa de âmbito nacional de empréstimo e redistribuição. Até setembro, todos os alunos vão assim receber livros novinhos em folha, a estrear, o que custará ao Governo 150 milhões de euros. Mas os cofres públicos não serão os únicos a sofrer e a medida terá também elevados custos ambientais.

Na visão da Zero, faltou debater “alternativas à travagem de um processo que finalmente tinha colocado Portugal, após décadas de desperdícios
gigantescos de recursos naturais e despesas muito significativas para as famílias, no percurso de outros países da UE onde a reutilização há muito
é praticada”. Os ambientalistas não questionam que há aprendizagens que ficaram por completar e que será necessário reforçar no início do
próximo ano, mas apontam outras soluções sem pôr em causa a reutilização dos manuais escolares.

Estas alternativas, recomenda a associaçºao, poderiam passar por: manter a entrega dos manuais nos anos de mudança de ciclo e no 12º ano; deixar ao critério das escolas a decisão sobre a reutilização de manuais; garantir manuais extra consoante as necessidades para trabalho em sala de aula; manter a entrega dos manuais para reutilização por todos os alunos que possam ter acesso a recursos digitais, assegurados pelo Ministério da Educação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Manuais escolares não vão ser reutilizados. São mais 1.500 toneladas de CO2 e 90 mil árvores abatidas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião