Preço do ouro ultrapassa pela primeira vez barreira dos 2.000 dólares

A onça de ouro está já a negociar acima dos 2.000 dólares, um máximo histórico. O preço do metal precioso continua a descolar num contexto de maior incerteza económica.

O ouro continua em alta nos mercados internacionais. O preço da onça está já a cotar acima dos 2.000 dólares, continuando a renovar máximos históricos num contexto de maior incerteza económica, de acordo com informação da Reuters.

O metal precioso tem vindo a alcançar valores nunca antes vistos e tocou os 1.982,08 dólares na segunda-feira. Agora, volta a tocar máximos de sempre, negociando acima dos 2.000 dólares a onça, em dia de maior otimismo dos investidores em torno de novos estímulos económicos nos EUA para fazer face ao choque provocado pela Covid-19.

Ainda existem sérias divergências entre Democratas e Republicanos nas negociações sobre um novo pacote de apoios, mas declarações vindas da ala democrata no Senado apontam para que as conversações estejam a caminhar “na direção certa”, segundo a Reuters. Este fator está a ajudar ao sentimento comprador.

Contudo, a incerteza generalizada tem sido apontada como o principal motor da valorização estratosférica do ouro nos mercados internacionais. Visto como um ativo de refúgio, a procura por ouro tem disparado, com os investidores a apostarem neste ativo com valor intrínseco. Nos últimos tempos, têm também surgido novas formas de investir neste metal precioso, como é disso exemplo uma funcionalidade recentemente lançada pelo banco digital Revolut.

De igual forma, receios em torno das tensões geopolíticas entre EUA e China têm feito os investidores procurarem este ativo, aos quais se soma o receio quanto a uma possível onda de inflação após o impacto da Covid. Perante esta alta, surgem estimativas para todos os gostos. Uma delas é do Bank of America, que vê o preço da onça de ouro a atingir os 3.000 dólares algures nos próximos 18 meses, segundo o Financial Times.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h48)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço do ouro ultrapassa pela primeira vez barreira dos 2.000 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião