Reclamações online disparam durante confinamento

  • ECO
  • 5 Agosto 2020

Durante o confinamento, os portugueses recorreram ao Livro de Reclamações Eletrónico, que viu o número de queixas aumentar 171% no primeiro trimestre.

Em altura de confinamento, os consumidores apostaram nos meios que tinham à disposição digitalmente para formalizar queixas. O número de reclamações no Livro de Reclamações Eletrónico (LRE) no primeiro semestre de 2020 aumentou 171% face ao mesmo período do ano anterior, revela o Jornal de Negócios (acesso pago).

Foram mais de 82 mil as queixas registadas entre janeiro e junho deste ano, enquanto, no ano passado, o número se fixou nas 30,3 mil. A maioria das reclamações foi dirigida ao setor das comunicações, algo que tem sido uma tendência no país há vários anos e não mudou com os portugueses mais tempo em casa, em teletrabalho e com as crianças a ter aulas à distância, e mais dependentes das telecomunicações.

O aumento das compras online, numa altura em que a maioria das lojas estava de portas fechadas, também ajudou a motivar mais queixas. O Portal da Queixa recebeu cerca de nove mil queixas relacionadas com o comércio eletrónico, número que representa um aumento de 213%, adianta o Diário de Notícias (acesso livre).

As compras nos supermercados online, tendência que aumentou durante esta época de pandemia, também viram um aumento nas reclamações, de 254%. Ainda assim, foram as entregas de correios e encomendas que concentraram o maior número de queixas (14.014, mais 137%), algo que era também já comum antes da pandemia, sendo que os CTT lideraram as reclamações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reclamações online disparam durante confinamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião